No Palmeiras, discurso é de humildade

Diz o ditado popular que ?cautela e canja de galinha não fazem mal à ninguém?. E é com este espírito que o Palmeiras vem trabalhando durante esta semana para a partida contra o Marília, sábado, no Palestra Itália. Apesar da empolgação da torcida com a possibilidade de o time garantir o acesso antecipado à Primeira Divisão no confronto ? só sobraram 1.542 ingressos de meia-entrada ? o time prefere pensar que tem mais três jogos pela frente. Uma mostra foi o treino de hoje. As atividades começaram às 11 horas com o objetivo de adaptar os atletas ao horário dos dois últimos jogos da Série B do Campeonato Brasileiro. O discurso teve sintonia com as atitudes do técnico Jair Picerni e dos jogadores, que fizeram questão de ressaltar que nada está garantido. ?Não acabou e a gente sabe que não acabou?, resumiu o volante Magrão. ?Foi difícil demais lá (jogando em Marília) e aqui vai ser pior.? Clima de decisão, os atletas só deixam à mostra ao fazerem retrospecto da campanha. ?Depois de tudo o que a gente passou, para mim subir para a Primeira Divisão é mais importante que a semifinal da Mercosul contra o Boca Juniors?, comparou Magrão. Para o zagueiro Leonardo, só o acesso vai tirar o peso sobre seus ombros desde a campanha do rebaixamento. Nos treinos, a principal preocupação foi o acerto da defesa, que terá Glauber no lugar de Daniel, contundido. ?Ainda não definimos como vai ser?, disse o zagueiro Leonardo sobre o posicionamento. ?Acho que eu vou ficar na direita no lugar do Daniel, o Glauber na sobra e o Marcinho na esquerda.? Galã ? Os cabelos do técnico Jair Picerni renderam brincadeiras quando o vento na Academia de futebol criou um topete no treinador que foi comparado ao penteado moicano do meia inglês David Beckham na Copa de 2002. ?É um Beckham...meio caído?, disse o técnico ao definir seu visual, levando jogadores e jornalistas ao riso. ?Mas quando tinha a idade dele eu era boa-pinta?, reabilitou-se. Só evitou o confronto na área financeira. ?Aí não dá nem para comparar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.