Vitor Silva/SS Press-BFR
Vitor Silva/SS Press-BFR

No Rio, Botafogo e Vasco fazem clássico dos opostos

Enquanto a equipe botafoguense tenta chegar à segunda colocação, time vascaíno luta contra o rebaixamento

O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2013 | 08h00

RIO - Apesar de inconstante nas últimas rodadas, o Botafogo é o favorito no clássico de hoje, às 18h30, no Maracanã, contra um rival abalado e cada vez mais ameaçado de rebaixamento, o Vasco. Enquanto o time dirigido por Oswaldo de Oliveira precisa vencer para se manter firme entre os quatro primeiros do Brasileiro - o que garante vaga à Libertadores -, a equipe de São Januário luta contra vários obstáculos para tentar reagir no campeonato: o mais recente tem a ver com o estado emocional do time.

A derrota para o Goiás na quinta-feira, em Macaé, manteve o Vasco entre os últimos e demonstrou o abatimento do grupo. Ao fim da partida, vários jogadores cruzmaltinos choravam, enquanto o veterano Juninho Pernambucano lamentava o resultado, mas tentava buscar palavras que injetassem ânimo nos colegas. Ele tem sido o líder do Vasco em campo, mas está mal fisicamente.

O Vasco também vai ter de lidar com a fúria de sua torcida - houve protestos no treino de sexta-feira na sede do clube, que teve seus muros pichados. Além disso, o técnico Dorival Júnior já não conta com o apoio de dirigentes e conselheiros e só é mantido no cargo por decisão isolada do presidente Roberto Dinamite. Uma nova derrota pode, no entanto, mudar a opinião do ex-atacante do clube, que pretende concorrer à reeleição no ano que vem.

Já o Botafogo, praticamente afastado da luta pelo título do Brasileiro, quer assegurar a vaga na Libertadores, competição que disputou pela última vez em 1996. Com 49 pontos, não pode ver sua vantagem para Goiás e Vitória, ambos com 43, diminuir outra vez. No meio de semana, perdeu para o time baiano. O técnico Oswaldo de Oliveira tem uma equipe mais bem entrosada e vai jogar sem a pressão a que está submetido o Vasco. Na lista de atletas disponíveis, conta com Seedorf, hoje, nas mesmas condições de Juninho.

Em compensação, terá a volta do goleiro Jefferson, que serviu à seleção brasileira em amistosos na Ásia.O atacante Rafael Marques, que já foi apontado por Oliveira como melhor do time na temporada, não aponta favoritismo para o Botafogo, “por se tratar de um clássico, em que ambos precisam muito da vitória”. Para ele, o Botafogo tem mesmo de se concentrar na busca por classificação` na Libertadores. “Desde o começo, esse foi o nosso principal objetivo”, declarou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoVascoBotafogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.