No Rio, Santos esquece cansaço e quer seguir subindo

Ainda sem Montillo e Arouca, os seus dois principais jogadores, o Santos volta ao estádio do Maracanã, nesta quinta-feira, às 21 horas, pela 20.ª rodada do Campeonato Brasileiro, com grande possibilidade de repetir contra o Flamengo a façanha do fim do mês passado, quando derrotou o Fluminense por 2 a 0. E se vencer vai ficar perto de entrar no G4, com direito de sonhar com vaga para a Copa Libertadores de 2014.

SANCHES FILHO, Agência Estado

12 de setembro de 2013 | 09h05

Depois de ter superado o Internacional em Novo Hamburgo (RS), no primeiro dos três jogos em seis dias, ninguém dúvida mais da força de um time que tinha tudo para dar errado e que se torna uma das forças da competição. A promessa dos santistas é ignorar o desgaste para conseguir a terceira vitória seguida.

Ninguém poderia supor que o Santos, impiedosamente goleado por 8 a 0 pelo Barcelona, há 42 dias, conseguiria juntar os cacos e reagir tão rapidamente. Além de ter perdido o talento de Neymar e dispensado o ganhador de títulos Muricy Ramalho, o clube encarava uma das maiores crises políticas da história, levando o presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro a se licenciar por 1 ano para não se expor ao risco de ser deposto.

O que se manteve foi a tradição do clube de revelar bons volantes, com a eficiência de Alyson e Alan Santos no meio para dar sustentação aos experientes Edu Dracena (cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo) e Durval. Mas o segredo da equipe é que o técnico Claudinei Oliveira soube juntar meninos e veteranos e formar um time compacto, valente e objetivo.

O gerente de futebol Zinho, que pouco aparece, também deu a sua contribuição. Convenceu a diretoria a dar contrato de treinador, com aumento de mais de 800%, para Claudinei Oliveira. Também acelerou a compra dos direitos de alguns garotos recentemente promovidos e a renovação de contratos, inclusive o de Arouca e do goleiro Aranha, que vai se tornando ídolo. E levou para a Vila Belmiro o meia Renato Abreu para ser o cobrador oficial de faltas e dar experiência ao time. Contra o Internacional, ele fez o seu primeiro gol com a camisa santista.

"Foi uma emoção muito grande. Fiquei muito feliz por fazer o gol logo no meu primeiro lance do segundo jogo. Claudinei me falou: ''entra lá e já vai bater a falta''. Pedi a bola para o Cicero e cobrei. É uma das minhas características bater falta e embora tenha contado com a ajuda da barreira do Inter, estou contente pelo gol e por ter ajudado o time de alguma forma", disse nesta quarta, ao chegar ao Rio de Janeiro. O meia de 35 anos ainda não sabe durante quanto tempo vai suportar ficar em campo nesta quinta, mas está motivado para enfrentar o ex-clube. "É um grande emoção voltar a jogar no Maracanã e rever a torcida que tanto me apoiou".

Além de Montillo, Arouca (ambos se recuperando de contusões) e Edu Dracena, o Santos não terá Alan Santos, que sofreu lesão na coxa esquerda, e Giva, com luxação no ombro esquerdo. Leandrinho e Alyson sentiram dores musculares e ainda não estão confirmados no time. Gustavo Henrique será o companheiro de Durval na zaga e Mena, que retornou da seleção chilena, deve entrar na lateral equerda. No meio, Claudinei Oliveira vai escalar Renê Júnior como primeiro volante.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSantos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.