No Santos, começa a briga pelo gol

Doni, Júlio Sérgio ou Mauro? O goleiro titular do Santos ainda não está definido e isso deverá ocorrer na semana que vem, durante os treinamentos que serão realizados em Jarinu. O técnico Leão está satisfeito com os três jogadores da posição, faz elogios a todos, destaca que cada um tem sua característica própria, mas não revela seus planos. Essa disputa aparentemente não preocupa Doni e Júlio Sérgio, dois amigos que se conheceram quando ainda jogavam pelo Botafogo de Ribeirão Preto e brincam muito. "Nem quero brigar, pois aguëntá-lo já é difícil, porque ele é muito chato", disse Doni brincando e olhando para o colega. E Júlio respondeu, logo depois: "somos muito amigos, ele é uma pessoa tranqüila mas continua feio. Olha o cabelo dele". Segundo Júlio Sérgio, "cada goleiro tem um estilo, uma maneira de jogar, às vezes os resultados são os mesmos com técnica diferente". Para ele, o importante é que o relacionamento "é excelente" e quem for o escolhido pelo técnico Leão será respeitado. Mas Júlio Sérgio nem pensa em ficar mais no banco. Diante da insistência de um jornalista de que Doni seria o titular, ele quebrou o tom descontraído e respondeu: "quem está falando que o Doni vai ser o titular é você, o Doni veio para disputar uma posição, como o Mauro e são três goleiros de bom nível". Ele revelou hoje que vai mesmo ficar na Vila Belmiro e que só falta assinar o contrato que já está acertado com os dirigentes. Hoje, os três goleiros treinaram. Mauro acabou se sentindo mal no final de uma bateria de exercícios comandada pelo preparador de goleiros Pedrinho Santilli, vomitou e foi atendido pelo médico Carlos Taíra. Segundo o atleta, ele não estava acostumado com esse ritmo de treinamento no Marília. Taíra examinou-o e não constatou gravidade, considerando normal esse tipo de reação no início dos treinos, principalmente os de goleiros, que são muito puxados. Já Doni, em seu primeiro dia de treino, se mostrava cansado. "Fiz exame de esteira na quarta-feira, fiz novos exames pela manhã e, com isso, as pernas acabam; você acaba se arrastando, parecendo que tem um saco de areia nas suas costas". Ele acha que isso não é problema, pois perdeu apenas dois dias de treino. "Logo estou treinando com bola e tudo será diferente". O que Doni não gosta de lembrar é a briga que teve com Fábio Costa e Fabiano num clássico contra o Corinthians. "Aquilo passou, defendia o Corinthians e agora defendo o Santos; foi um erro que atrapalhou muito minha carreira e não tenho que ficar lembrando disso". A transferência para a Vila Belmiro não surpreendeu Doni. "Foi uma negociação complicada, mas que acabou sendo acertada rapidamente". A indicação de Leão foi considerada importante. "Fico feliz e pretendo aproveitar essa escolha feita por ele para aprender aqui no dia-a-dia, porque ele foi um grande goleiro e é um grande treinador.

Agencia Estado,

08 de janeiro de 2004 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.