Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

No Santos, Renato se reencontra com Jair Ventura e prevê mais chances para a base

Volante atuou no Botafogo entre 2011 e 2014, onde seu atual técnico no Santos era auxiliar

Estadão Conteúdo

04 Janeiro 2018 | 10h06

Novo técnico do Santos, Jair Ventura possui curta experiência como técnico, tanto que o Botafogo era, até agora, a única equipe que o treinador havia comandado na sua carreira. Mas, na Vila Belmiro, ele vai encontrar um antigo conhecido, o volante Renato, que atuou pelo clube carioca entre 2011 e 2014. Naquela época, Jair fazia parte da comissão técnica do Botafogo como auxiliar e deixou boa impressão no veterano meio-campista.

+ Dispensado, Elano se despede do Santos: 'Relação com o clube segue'

"O que o Jair fez no Botafogo foi algo que não se imaginava. Com o elenco que tinha, com as condições que o Botafogo tinha, conseguiu chegar longe na Libertadores, fez um belo trabalho. Mesmo sem título, temos que reconhecer o trabalho que foi feito com as peças que tinha. A gente espera que aqui ele possa dar continuidade, é um treinador jovem, que estudou. Vamos assimilar a filosofia dele para brigar por títulos", disse, destacando o bom trabalho desenvolvido pelo treinador no Botafogo.

Renato lembrou que Jair Ventura apostou em vários jovens na sua passagem pelo Botafogo e previu que a situação deverá se repetir no Santos, até pela filosofia do clube em dar chance aos jogadores formados nas divisões de base. Além disso, os problemas financeiros do clube devem até aumentar o uso dessa política em 2018 no time.

"Peguei o Jair como auxiliar do Oswaldo (de Oliveira), no Botafogo. É um cara tranquilo, tem um caráter dos grandes, vai colocar os melhores, sabe trabalhar com a base, conhecia muito os jogadores da base. Aqui temos jogadores subindo para o profissional com muito talento, esperamos extrair isso. O Jair é um cara que conhece bem a base, esperamos que ele possa fazer isso aqui também", disse.

Se Renato se reencontrou com Jair Ventura na reapresentação santista, ele também perdeu um amigo de longa data, Elano, que foi seu parceiro meio-campo santista durante anos e vinha atuando como auxiliar técnico, até ser demitido. E o volante lamentou a mudança. "A gente sabe que o futebol é assim e as reformulações acontecem. A gente perde jogadores e pessoas da comissão. Ficamos um pouco chateados, mas temos de seguir", comentou.

Sem Elano, Renato agora torce para outro companheiro do passado retornar ao Santos. O atacante Robinho está livre após o encerramento do seu contrato com o Atlético Mineiro e o volante, de 38 anos, garantiu que ele será muito bem recebido caso seja contratado.

"Isso fica a cargo da diretoria. Eu particularmente adoro o Robinho. Gostaria que ficasse sempre aqui, mas são coisas do futebol que aparecem. Se vier, será recebido de braços abertos, porque é um grande jogador. Quando joga aqui, se sente em casa", concluiu Renato.

Mais conteúdo sobre:
Santos Futebol Clube Jair Ventura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.