No Sul, Vasco encara o Grêmio em busca de reabilitação

O Vasco quer virar a página. Ao entrar em campo para enfrentar o Grêmio, nesta quarta-feira, às 22 horas, no estádio Olímpico, em Porto Alegre, para iniciar o segundo turno (20.ª rodada), a equipe cruzmaltina quer deixar para trás os maus resultados das últimas rodadas e retomar o rumo em busca do título do Campeonato Brasileiro.

LEONARDO MAIA, Agência Estado

29 de agosto de 2012 | 08h57

Os comandados de Cristóvão Borges não vencem há quatro rodadas, com três derrotas no período, incluindo os clássico contra Flamengo (1 a 0) e Fluminense (2 a 1). O que resultou na queda para a quarta posição, com 35 pontos. Os gaúchos somam 37 e estão logo acima na tabela de classificação.

A pressão sobre o treinador cresce fora de São Januário. Dentro do clube, porém, Cristóvão Borges conta com a confiança dos jogadores e, por isso, o tema da demissão não foi discutido com profundidade pela diretoria.

"Acho que a avaliação (do técnico) é positiva. Por todas as dificuldades, ter mantido o Vasco competitivo e disputando as primeiras posições é louvável. Aqui, infelizmente, treinador é avaliado por semana e não por temporada", analisou o meia Juninho Pernambucano, um dos defensores do técnico, mas que vai acompanhar a partida pela TV. O capitão está suspenso.

Além de Juninho, os desfalques da rodada são o atacante Eder Luís, o volante Fellipe Bastos e o zagueiro Rodolfo. Como opção para o ataque, Cristóvão Borges tem William Barbio e Carlos Tenório. No entanto, o equatoriano voltou há poucas semanas de uma cirurgia no tendão de Aquiles do pé direito. "Não é que o Tenório não tenha condição, mas ainda não é recomendável que ele jogue os 90 minutos depois do tempo que ficou afastado por causa da cirurgia. Segundo os médicos, ele precisa retornar progressivamente para evitar novas lesões", ponderou o técnico vascaíno, praticamente antecipando a escalação de Barbio.

Mesmo sem apontar a saída de Diego Souza, Rômulo, Allan e Fagner como motivo para a queda de rendimento do time, Cristóvão Borges admite que atualmente conta com menos opções para suprir ausências por lesão e suspensão ou mesmo baixo desempenho. "Passamos por situações difíceis porque sempre tivemos a força do grupo nas substituições e sempre tivemos jogadores para substituir à altura. Mas confio em todos que vão participar do jogo", frisou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoVasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.