Nos EUA, impacto da chegada de Beckham lembra Pelé

Para parte da imprensa norte-americana, o impacto da contratação do astro inglês David Beckham pelo Los Angeles Galaxy é parecido com o que foi feito em 1975 pelo New York Cosmos, que simplesmente contratou o melhor jogador de todos os tempos, o brasileiro Pelé.Naquela época, a chegada de Pelé ao país tinha como objetivo o mesmo que se espera de Beckham agora, que é o de atrair os jovens para o futebol. Apesar do alvoroço causado em 1975, o esporte pouco se desenvolveu. Apenas nos últimos anos a modalidade virou "mania" entre as mulheres.Porém, o resultado da contratação de Beckham pode ser diferente, como alertou o primeiro diretor da história do Cosmos, Clive Toye. "Pelé foi o melhor de todos e não pode ser comparado. Mas, o inglês é um jogador muito conhecido mundialmente. Como o futebol no país conta com mais estrutura e um número maior de clubes, isso pode contribuir para seu desenvolvimento."Diferentemente daquela época, as cifras movimentadas pelo futebol também impressionam. Beckham vai ganhar cerca de US$ 250 milhões por um contrato de cinco anos. Apesar dos altos gastos, o Galaxy espera lucrar com o uso da imagem do inglês, que é ídolo no país e possui até uma escolinha de futebol.No ano passado, o principal jogador na liga norte-americana foi o veterano Romário, que atuou pela equipe do Miami. A passagem nos Estados Unidos ajudou o brasileiro a somar alguns gols para sua carreira, já que ele percorre o milésimo - ainda faltam treze.Recentemente, outro grande nome a mexer com o futebol nos Estados Unidos foi Ronaldo, que está em crise no Real Madrid. Segundo a imprensa espanhola, o brasileiro teria recebido uma proposta para atuar no New York Red Bulls. As negociações não foram para frente.Além de contratações, outras medidas também foram adotadas para tentar popularizar o futebol nos Estados Unidos. Com muita freqüência, clubes mexicanos atuam no território norte-americano, assim como grandes times europeus. No ano passado, o Barcelona fez uma excursão em terras norte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.