Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Nos pênaltis, Fluminense derrota o Flamengo e é campeão invicto da Taça Guanabara

Após empate por 3 a 3 no tempo normal, rubro-negro perde dois pênaltis e tricolor fatura título sem nenhuma derrota

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2017 | 18h15

Depois de muita confusão, o futebol. E um belo futebol. O Fluminense conquistou neste domingo o título da Taça Guanabara ao vencer o Flamengo nos pênaltis por 4 a 2, depois de empatar por 3 a 3 no tempo normal de um grande jogo. As duas equipes jogaram de maneira ofensiva e perseguiram o gol o tempo todo. Foi uma partida que recompensou totalmente os 27.549 torcedores (25.451 pagantes) das duas torcidas que foram ao Engenhão.

Flamengo e Fluminense honraram a tradição do clássico. Fizeram um jogaço. Os dois times procuraram o ataque o tempo todo - o Tricolor, no início, foi mais comedido, mas sem renunciar à proposta ofensiva -, com velocidade, boas infiltrações e jogadas agudas.

O JOGO

Na primeira etapa, as duas equipes tiveram comportamento bastante semelhante. Estavam bem no setor de meio de campo e no ataque, mas suas defesas falhavam constantemente. Esse ingrediente, porém, tornou o jogo ainda mais eletrizante e com bastante emoção.

O Tricolor lamentou a ausência de seu principal jogador, Gustavo Scarpa (machucado), mas na etapa se ressentiu mesmo foi da falta do poder de marcação de Douglas, que não atuou por estar suspenso. O Rubro-negro, com o time completo, manteve o padrão das últimas partidas - com exceção da defesa, que cometeu erros de posicionamento incríveis.

Os dois primeiros gols saíram de falta a favor do Flamengo. Mas quem marcou primeiro foi o Flu. Diego cobrou falta na barreira e, no rebote, a bola sobrou para Wellington Silva ainda no campo de defesa. Ele avançou em velocidade, se livrou de Rafael Vaz e bateu na saída de Muralha. Quatro minutos depois, aos 8, Pará cobrou falta, Júlio César falhou na saída de gol e, na sequência, Arão marcou. Foi o primeiro gol que o Fluminense levou na Taça Guanabara, em sua sétima partida.

Outra falha de defesa tricolor, esta da zaga, permitiu a Guerrero cabecear para o chão e, no rebote de Júlio César, Everton fez a primeira virada do jogo.

Mas o Flu iria buscar. Empatou numa cobrança de pênalti de Henrique Dourado (Guerrero tocou com a mão na bola) e virou em nova e clamorosa falha da defesa do Flamengo, que mal posicionada permitiu a Wellington lançar Lucas. Livre, o lateral penetrou e tocou na saída de Muralha.

Na etapa final, o ritmo alucinante do primeiro tempo não se repetiu - já era esperado, em função do desgaste inicial. O Flamengo parecia até meio sonolento. Em vantagem, o Fluminense procurou cadenciar o jogo, valorizando a posse de bola e buscando as jogadas sobretudo pelo lado esquerdo.

O técnico Zé Ricardo então, procurou tornar seu time mais ofensivo, colocando os atacantes Gabriel e Berrio - este entrou no lugar no volante Willian Arão. Pouco depois, colocou Felipe Vizeu no lugar de Trauco - Everton foi para a lateral-esquerda.

Então, o Flamengo passou a pressionar, embora exposto aos contra-ataques. Até que conseguiu uma falta, de Richarlison em Pará, na entrada da área. Guerrero bateu com maestria, no canto esquerdo de Júlio César, que nem se mexeu.

O empate animou ainda mais o Flamengo, que manteve a pressão. Mas a decisão acabou indo para os pênaltis. Então, converteram Lucas, Henrique, Marquinho e Marcos Junior marcaram e deram o título ao Fluminense. Para o Flamengo, Então, Diego e Guerrero marcaram, mas Rever e Rafael Vaz perderam.


FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 3 X 3 FLAMENGO (4 X 2 NOS PÊNALTIS)

FLUMINENSE - Júlio César; Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Pierre, Orejuela, Sornoza (Marquinho), Richarlyson e Wellington Silva (Calazans); Henrique Dourado (Marcos Junior). TÉCNICO: Abel Braga.

FLAMENGO - Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco (Felipe Vizeu); Rômulo, Willian Arão (Berrio), Diego e Mancuello (Gabriel); Everton e Guerrero. TÉCNICO: Zé Ricardo.

GOLS - Wellington Silva, aos 4, Willian Arão, aos 8, Guerrero, aos 23, Henrique Dourado (pênalti), aos 32, e Lucas, aos 40 minutos do primeiro tempo. Guerrero, aos 39 minutos do segundo.

ÁRBITRO - Wagner Nascimento Magalhães.

CARTÃO AMARELO - Everton, Trauco, Richarlyson

RENDA - Não disponível

PÚBLICO - 25.451 pagantes.

LOCAL - Engenhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.