Arquivo Pessoal/Tim Sparv
Arquivo Pessoal/Tim Sparv

'Nosso país espera há muitos anos por um sucesso no futebol', diz capitão da Finlândia

Em entrevista ao Estado, Tim Sparv revela clima de ansiedade no país por chance de vaga na próxima Eurocopa

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2019 | 10h30

O capitão e volante da seleção da Finlândia, Tim Sparv, afirma que o país está pronto para superar o rótulo de sempre ficar no quase no futebol. Em entrevista exclusiva ao Estado, o jogador do Midtjylland, da Dinamarca, diz que a equipe está confiante para garantir a classificação para a próxima Eurocopa e fazer a torcida finalmente comemorar uma conquista na modalidade. A nação jamais disputou uma competição internacional.

Como está a expectativa para as duas rodadas finais?

Empolgação no nível máximo. Estamos em uma posição muito favorável para se classificar pela primeira vez. Mas temos de manter os pés no chão para vencer o Liechtenstein.

Por que a Finlândia evoluiu tanto nos últimos anos?

Planejamento de longo prazo, estilo simples de jogo e uma comissão técnica que envolve os jogadores na tomada de decisão. Mentalidade forte nos jogos, a boa fase, os gols do nosso artilheiro Pukki, assim como a mescla entre experiência e juventude.

A federação de futebol do país teve alguma participação nessa evolução?

A federação sempre fez o melhor para nos dar as condições ideais. É um processo longo e ainda nós precisamos investir mais em infraestrutura e métodos de treino pára ver o futebol crescer na sociedade. É preciso você relembrar que a Finlândia é um dos poucos países do mundo em que o futebol não é o esporte número 1.

Quais os esportes mais populares do seu país?

Na Finlândia há um fanatismo por hóquei no gelo. É o esporte que mais gera dinheiro e interesse da mídia. Mas os finlandeses acompanham de tudo, desde Fórmula 1 e rali até esportes de inverno como esqui e biatlo. O futebol já tem o seu lugar na sociedade e todo mundo sente o orgulho nos últimos tempos do sucesso que temos alcançado. Há um ambiente legal em torno do nosso time e é possível sentir que os torcedores esperam pelo sucesso há muitos anos. Esperamos poder dar em breve alguma memória para nosso torcedor se recordar para sempre.

A seleção atual tem feito os finlandeses gostarem mais de futebol?

É fácil de notar que vivemos uma explosão pelo futebol na Finlândia. Nossos jogos têm os ingressos esgotados, o interesse da mídia é grande e todo mundo está incrivelmente feliz. É muito bom notar que nós temos sido capazes de colocar sorrisos nos rostos dos torcedores.

A Islândia também é um país pequeno, frio, mas disputou a última Copa. Esse sucesso inspira vocês?

Eles são um bom exemplo de uma nação pequena que conquistou grandes resultados. Isso propicia a outros países pequenos a esperança de que um dia será a nossa vez de comemorar.

Como a sua experiência como colunista de jornal te ajuda como capitão?

Eu acho que é muito importante fazer atividades fora do futebol que não têm atividade com o seu trabalho. Para mim, isso cria um equilíbrio saudável na sua vida em fez de pensar só no futebol. Escrever é também um plano de longo prazo para me preparar para o futuro. Eu quero continuar no futebol e ser treinador um dia, mas por outro lado eu quero também estudar. Tenho sede por conhecimento e sinto que perdi parte disso por causa da minha carreira. Eu estudo, estou aperfeiçoando idiomas, escrevo colunas, mantenho blogs e leio muito. Meu objetivo é manter a aprendizagem ao longo da minha vida.

Na sua opinião o sucesso da seleção vai fazer com que o talento dos finlandeses seja mais reconhecido por ligas mais importantes da Europa?

Eu não tenho tanta certeza, mas eu torço para que o talento do nosso atacante Pukki possa abrir um caminho para outros jogadores finlandeses. Nós temos várias qualidades e eu gostaria de ver todos esses compatriotas terem chance de jogar em ligas mais duras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.