Nova bola dificulta vida dos goleiros

Uma bola e muita discussão. A adoção da bola Star, fabricada pela empresa brasileira Pênalti, está gerando controvérsias nas equipes que disputam a Copa América. Só uma coisa é certa: os goleiros estão tendo mais trabalho com uma bola menor, mais leve e feita de poliuretano."A bola balança muito, não tem trajetória direta, como as tradicionais, e isso complica um pouco, especialmente em chutes de média distância", disse Marcos, goleiro do Brasil. Para superar a dificuldade, o jogador aumentou a carga de treinos.O goleiro paraguaio Ricardo Tavarelli é um dos maiores inimigos da nova bola, apelidada de "meteorito Star". "Não dá tempo de controlar essa bendita bola, por ser menor e menos pesada", reclamou. "A mudança de bola não tem outro objetivo do que nos colocar em um paredão e facilitar a vida dos atacantes."Tormento para alguns, felicidade para outros. "Essa bola tem um efeito incrível, especialmente em tiros de longa distância", disse o atacante paraguaio Silvio Garay. O técnico Sergio Markarian ressalta que a bola, por suportar mais o golpe em qualquer ângulo, dá mais emoção às partidas.Mas também existem técnicos descontentes. "A nova bola favorece as equipes que jogam na base do chutão, e não aquelas que praticam bom futebol", reclama o técnico da Colômbia, Francisco Maturana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.