Nova CPI vai aos EUA interrogar José Maria Marin e J. Hawilla

Dunga, pai de Neymar e presidente da Fifa também serão convidados a depor

Jamil Chade, correspondente na Suíça, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2016 | 18h15

A nova Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara dos Deputados, montada para investigar as irregularidades no futebol, aprovou um requerimento para enviar uma missão até os EUA para interrogar José Maria Marin, ex-presidente da CBF, e o empresário José Hawilla. A CPI também convidará o técnico Dunga para prestar depoimento, além do novo presidente da Fifa, Gianni Infantino e o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez.

Criada com o objetivo de investigar a "máfia do futebol", a CPI fechou nesta semana seu programa de ação para os próximos meses. A Comissão Parlamentar terá 120 dias para apurar denúncias e produzir um informe. Prestes a completar um ano, a crise na Fifa gerou poucas mudanças no futebol brasileiro e, salvo no caso de Marin, nenhum outro dirigente foi preso. 

Um dos objetivos do grupo parlamentar é o de ir até os EUA para poder interrogar Marin, que cumpre prisão domiciliar enquanto aguarda seu julgamento por corrupção num tribunal de Nova Iorque. A missão ainda terá a meta de interrogar, em Miami, o empresário José Hawilla, epicentro das revelações usadas pelo FBI para indiciar 41 pessoas, entre eles Ricardo Teixeira e o atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero. 

Segundo um dos requerimentos aprovados, Hawilla será questionado sobre os contratos de transmissão assinados com a CBF. O empresário também cumpre prisão domiciliar, depois de ter admitido que pagou por anos milhões em propinas aos cartolas brasileiros e sul-americanos. 

No caso de Marin, o objetivo é o de apurar sua atuação tanto como presidente da CBF como na gestão do Comitê Organizador da Copa de 2014.

A CPI do Senado, que teve início no segundo semestre de 2015, optou por não convocar Marin, justamente para se evitar que o ex-cartola encontrasse um motivo para viajar ao Brasil e, assim, escapasse de um processo nos EUA. Agora, a CPI da Câmara se propõe ir até a cidade americana onde Marin cumpre prisão domiciliar. 

Mas os deputados também querem convidar outros atores do futebol para prestar depoimento. Um dos requerimentos aprovados na terça-feira aponta para o convite ao técnico da seleção, Dunga, para " colaborar com os esforços desta CPI para esclarecer aspectos relacionados a contratos de marketing, direitos de mídia, patrocínios e eventos envolvendo a CBF ". 

Outro na lista da CPI é Neymar da Silva Santos, pai do jogador Neymar. Seu convite também será feito para "esclarecer" aspectos relacionados ao marketing e o papel desse segmentos na seleção brasileira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.