Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Nova derrota e Leão segue no Santos

O final do jogo contra o Cruzeiro foi melancólico. Depois do terceiro gol da equipe mineira, os torcedores começaram a protestar contra Leão, principalmente por parte da Torcida Jovem. "Leão, pede demissão" e "não é mole não, Libertadores é nossa obrigação". Quando a partida acabou, jogaram objetos na direção do técnico e dos jogadores, revoltados com a derrota por 3 a 1. A lua-de-mel do técnico com a torcida acabou? "Lua de mel não é eterna e, se fosse, não haveria tantas separações", disse Leão, dando sinal de que só deixará o cargo se for demitido. "Sou funcionário do clube como sempre digo e trabalho há dois anos no Santos. É um recorde para o Santos. Nós fizemos e passou o que foi feito, pois no futebol o que vale é o momento e o momento é desagradável".Terminada a entrevista coletiva, o treinador entrou em sua sala para uma reunião com o presidente Marcelo Teixeira e o presidente do Conselho Deliberativo, José da Costa Teixeira. Na saída, Marcelo Teixeira garantiu a continuidade de Leão no cargo, mas não gostou nada do que viu em campo. "Nada está tranqüilo depois de uma derrota", disse ele rapidamente ao deixar a Vila Belmiro às 19 horas. A demissão, porém, só não foi consumada por causa da viagem marcada esta segunda-feira para o Equador, onde a equipe enfrenta o LDU pelas oitavas-de-final da Copa Libertadores da América.Mas o treinador gostou do jogo, embora seu time tenha perdido, a terceira derrota consecutiva para o Cruzeiro. Foi a primeira derrota na Vila Belmiro desde junho do ano passado, quando os santistas foram perderam para o São Caetano. Leão lembrou os jogos contra o time mineiro no ano passado, em que o Santos teve muitas chances de gol e que acabaram desperdiças. "Hoje perdemos novamente. O primeiro tempo foi mais de peça de xadrez, tático, em que tomamos um gol por incrível que pareça de repetição de bola de cabeça e depois tivemos duas chances de virar o resultado".E Leão continuou: "no segundo tempo, tiramos o Daniel porque já tinha cartão amarelo e ele mais uma vez com um lindo toque decidiu a partida". Destacou, porém, o grande número de chances perdidas por seus atacantes. "Não fizemos os gols, mas quando a fase está desse jeito, o torcedor canaliza tudo para o banco de reservas. Nesses momentos, até mudo fala; e fala mal".Leão justificou a escalação do volante Daniel para marcação homem a homem em Alex. "No primeiro tempo, o Alex não jogou, mas o Daniel já tinha cartão amarelo e podia ser expulso. No segundo tempo, entrou em campo o time que todos esperavam e Alex teve duas chances. A primeira fez um lançamento perfeito para Dudu fazer o segundo gol e teve uma bela jogada individual, além de ter dado o passe para o mesmo Dudu marcar o terceiro.Surpresa - O meia Preto Casagrande, que havia treinado os dois coletivos no time principal, ficou surpreso quando soube depois do almoço que Daniel ia jogar. "Fiquei triste e surpreso". O jogador estava revoltado com a situação, depois da expectativa de começar jogando, mas não pensa em deixar a Vila Belmiro. "Tem horas que, quando recebe a notícia, fico atordoado e passa pela minha cabeça sair, e se disser o contrário estarei mentindo ou sendo hipócrita. Mas isso passa muito rápido pela cabeça e procuro esquecer logo, pois tenho contrato com o Santos até dezembro e ,por isso, tenho me dedicado muito, treinado no meu limite".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.