Nova dona do Brinco de Ouro diz que Guarani exagerou em pedidos

A direção do Guarani fez uma série de pedidos à Maxion Empreendimentos, empresa que arrematou em leilão o Brinco de Ouro, para ajudar na construção de um novo estádio, mas teve uma nova decepção. A empreiteira gaúcha deu uma resposta evasiva.

Estadão Conteúdo

07 de maio de 2015 | 20h38

A lista de exigências apresentada pelo clube em reunião realizada na última terça-feira exigia a construção de uma nova arena com capacidade para 20 mil lugares, um novo clube social e um novo CT. Entretanto, o advogado da Maxion, Darcio Vieira Marques, afirmou que a diretoria está abusando da boa vontade da empresa.

"Eu disse que a gente está disposto a ajudar a construir o estádio, mas não pode abusar da boa vontade. A gente tem limite para essa bondade, para esse dever de colaboração. Além de estádio eles querem CT, clube, enfim. A gente pode discutir se tiver outro parceiro e colaborar na construção, mas não pode querer demais. Eles estão pedindo muito", afirmou Marques.

Para discutir sobre o futuro do Guarani e o que será feito com o estádio Brinco de Ouro, a Maxion Empreendimentos terá uma reunião com a diretoria no próximo dia 12. Resta aguardar para saber o próximo capítulo dessa novela, que pelo jeito está longe do fim.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolGuaraniBrinco de Ouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.