Saeed Khan/AFP
Saeed Khan/AFP

Nova geração de craques é a atração no clássico entre Brasil e Argentina

Jogadores com menos de 25 anos, como Gabriel Jesus e Dybala, representam a renovação das seleções

O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2017 | 20h41

O encontro desta sexta-feira, às 7h05 (de Brasília), entre Brasil e Argentina vai marcar a nova etapa de renovação entre os protagonistas das duas principais seleções da América do Sul. O amistoso em Melbourne, na Austrália, reúne craques da geração dos nascidos na década de 1990. Garotos como Gabriel Jesus e Dybala começam a se transformar em estrelas do duelo, e a sentir o tamanho da rivalidade.

 Os treinadores das duas seleções vão acompanhar o desempenho de seus pupilos sob aspectos distintos. O Brasil, de Tite, está garantido na Copa do Mundo da Rússia. Por poupar alguns de seus principais jogadores, como Neymar, o técnico usa o encontro para avaliar Gabriel Jesus. O atacante de 20 anos esteve fora das últimas partidas para se recuperar de uma fratura no tornozelo direito.

Com a tranquilidade das oito vitórias nas Eliminatórias e os 100% de aproveitamento no cargo, Tite quer ver como a equipe se comporta sem Neymar, Marcelo, Daniel Alves e Casemiro. "Precisamos jogar bem e ter resultado para que a autoestima se consolide. O desempenho, jogar bem, e a consistência são importantes", comentou Tite.

Para a Argentina, o amistoso tem muito mais peso. A equipe vive sufoco com o quinto lugar nas Eliminatórias e terá a estreia do técnico Jorge Sampaoli, contratado para acabar com a crise. A primeira aposta do treinador foi escalar Dybala, de 23 anos e destaque da Juventus – ele foi pouco utilizado pelo treinador anterior, Edgardo Bauza.

"Messi e Dybala são jogadores excelentes. Os amistosos são a oportunidade para testar a compatibilidade deles, como podem trabalhar juntos e como será a sinergia em campo", explicou Sampaoli, que elogiou a disponibilidade de Messi em participar do jogo com o Brasil – estaria de férias no Barcelona.

Gabriel Jesus e Dybala foram os grandes destaques dos seus clubes na última temporada e têm como companheiros nas seleções outros colegas nascidos na década de 1990. Sampaoli deve dar oportunidade para a principal novidade da lista, o lateral-direito José Luis Gómez, também de 23 anos, destaque do modesto Lanús.

NOVATOS

A lista do argentino trouxe mais oito atletas que jamais atuaram pela seleção, quatro deles com menos de 25 anos. Mesmo sem ser calouro, o atacante Mauro Icardi, de 24 anos, foi uma das mais polêmicas escolhas da lista para o jogo. 

Segundo a imprensa argentina, o jogador da Inter de Milão é mal quisto pelos colegas por ter iniciado o relacionamento com a atual mulher enquanto ela era casada com outro atacante argentino, Maxi López.

A seleção brasileira também tem jogadores novos, mas Tite sabe que boa parte desses meninos tem mais rodagem. Philippe Coutinho, de 24 anos, por exemplo, é titular da seleção e participa do elenco há algum tempo. Ele tem como colegas de elenco Alex Sandro, de 26 anos, que já atuou seis vezes pelo Brasil, e Rodrigo Caio, de 23, mas que foi campeão olímpico.

O amistoso será exibido ao vivo pela TV Brasil e TV Cultura e pela internet no site da CBF, no Portal Uol e também pela Vivo, para seus assinantes.

FICHA TÉCNICA

BRASIL X ARGENTINA

BRASIL: Weverton; Fagner, Thiago Silva, Gil e Filipe Luís; Fernandinho; Paulinho, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Willian; Gabriel Jesus. Técnico: Tite.

ARGENTINA: Romero; Otamendi, Maidana e Mercado; José Gómez, Biglia e Banega; Lionel Messi, Dybala e Di María; 

Higuaín. Técnico: Jorge Sampaoli.

Juiz: Chris Beath (Austrália)

Local: Cricket Ground

Horário: 7h05

TV: Cultura e Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.