Luis Acosta/ AFP
Nesta sexta-feira, 19 de junho, a Conmebol anunciou que Neymar está suspenso por quatro partidas, o que significa que o camisa 10 do Brasil não joga mais na Copa América. A CBF tem até sábado, 20, para entrar com recurso contra a pena Luis Acosta/ AFP

O triste fim da temporada 'perfeita' de Neymar

Depois de ganhar tudo com o Barça, atacante sonhava com a Copa América

Almir Leite e Gonçalo Júnior, enviados especiais a Concepción, O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2015 | 17h00

No dia 6 de junho, a Liga dos Campeões terminou com um gol de Neymar. Era a consagração de uma temporada quase perfeita. Três títulos pelo Barcelona, 39 gols e sete assistências na temporada, artilharia da competição europeia - dez gols, ao lado de Messi e Cristiano Ronaldo. O craque de 23 anos se concedia o direito de sonhar em estar entre os finalistas da Bola de Ouro. Pouco mais de duas semanas depois, tudo mudou: o atacante deixou a seleção brasileira e a Copa América pela porta dos fundos, tem a maturidade contestada e enfrenta novos problemas judiciais na Espanha e no Brasil.

A “temporada perfeita” de Neymar acabou seriamente abalada quase aos 45 minutos do segundo tempo. Mais precisamente naquele jogo contra a Colômbia em que, descontrolado, teve um acesso de fúria que assustou até gente experiente da comissão técnica da seleção. Ele chutou a bola em direção a Armero após o fim do jogo, tentou dar uma cabeçada em Murillo e, após ser expulso, esperou o juiz chileno Enrique Osses na porta do vestiário para lhe dizer poucas e boas.

A noite de fúria de Neymar pode ter sido resultado do estresse de fim de temporada, da árdua tarefa de levar a seleção nas costas e do processo recém-aberto contra ele e seu pai e pela Justiça espanhola. Mais um dos problemas advindos das suspeitas de que sua negociação com o Barcelona movimentou cifras bem maiores do que os  57 milhões tornados públicos.

No entanto, várias vezes durante os últimos meses o craque se insurgiu contra situações e decisões que o desagradavam. Que o diga o técnico do Barcelona, Luis Enrique, que precisou ter muita paciência e jogo de cintura para conviver com os seguidos e públicos sinais de reprovação de Neymar a cada substituição. Afinal, não dava simplesmente para trombar com um dos principais jogadores do melhor time do mundo, ídolo da torcida e que estava jogando o fino da bola.

Neymar encantava também pelos dribles, pelas jogadas geniais em profusão, pelo trio mortal que fazia com Messi e Suárez. No auge do desagrado, Neymar não fazia a menor questão de manter as aparências na relação com Luis Enrique, como comprovaram seus gestos após ser substituído em jogos contra o Deportivo e o Sevilla. O treinador, paciente - embora existissem versões dando conta de que tinha na verdade era receio de entrar numa queda de braço com o craque -, respondia aos questionamentos defendendo o jogador.

“É impossível que um jogador mantenha o seu nível em 100% por toda a temporada. Existem momentos melhores e piores, e estou contente com seu rendimento nesta temporada”, disse, no auge da polêmica. 

Tempos depois Luis Enrique também viria a defendê-lo das acusações de que humilhava propositalmente os adversários com seus dribles e jogadas de efeito. Até gente como Xavi, então seu companheiro no Barça, o criticou. Mas o treinador atribuía suas jogadas ao talento.

Nos episódios das reclamações contra o treinador, da parte de Neymar quem saiu em sua defesa foi o pai e fiel escudeiro. Que não aliviou tanto assim para o “júnior”. “Ele ainda é jovem, está aprendendo e dentro de pouco tempo levará em conta essas lições”, assegurou Neymar da Silva Santos.

O pai, aliás, é o braço de direito de Neymar. Fora do campo, cuidando dos negócios; dentro, dando conselhos e se fazendo presente sempre que possível, o que quase sempre é - não foi no Chile porque, tendo operado o joelho, Neymar pai não pôde viajar.

A distância do pai deve ter contribuído para a instabilidade emocional do craque - embora ao que se saiba o ritual de conversas telefônicas antes e depois dos jogos tenha sido mantido. Antes das partidas, o pai dá ao filho conselhos como o de não se deixar levar por provocações; depois, costuma fazer uma análise técnica e crítica de seu desempenho.

E Neymar pai tinha motivos para ficar orgulhoso pelo filho. Ao mesmo tempo em que arrebentava no Barcelona, Neymar Jr. tornava-se cada vez mais importante para a seleção brasileira. Superava a decepção de ter sido empurrado precocemente para fora da Copa do Mundo por uma joelhada nas costas e ganhava espaço com o novo treinador.

Espaço e responsabilidade. Dunga não demorou muito tempo para fazer de Neymar o capitão de sua equipe. Nem levou em consideração a pouca idade do craque. “Neymar precisa ser desafiado sempre, de ter novas responsabilidades. Ele é competitivo, responde sempre positivamente’’, argumentou o treinador.

DESCONTROLE

De fato, nos amistosos da seleção Neymar se comportava como um líder dentro e fora de campo. Irritação, a rigor, só com Luis Enrique. Até que chegou a Copa América e ele se mostrou nervoso, estressado e descontrolado.

A árdua tarefa de suprir as deficiências de uma seleção limitada quando o quesito é talento, o cansaço de uma temporada desgastante, as provocações dos colombianos e mesmo a má vontade de juízes como Enrique Osses em conter os lances violentos de que é vítima - tem árbitro que o considera um simulador - certamente contribuíram para o destempero de Neymar.

 

Mas os problemas com a Justiça também devem ter atrapalhado. Até porque, dois novos “aborrecimentos” ocorreram recentemente. Na semana anterior, a Justiça espanhola abriu processo contra Neymar, o pai e três dirigentes do Barça por suposta fraude fiscal e desvio de dinheiro na negociação que o levou do Santos para a Catalunha; nesta, a juíza de Santos Thaís Cabaleiro Coutinho determinou que pai, filho e a N&N Consultoria, a empresa da família, apresentem todos os documentos da transação atendendo a pedido da Teisa, empresa que em 2010 comprou 5% dos direitos econômicos do jogador.

Há quem relacione seu nervosismo contra os colombianos especificamente à questão judicial na Espanha, que explodira às vésperas daquele jogo. Mas o fato é que Neymar foi provocado e não conseguiu se controlar. Por isso, viu sua temporada acabar.

Uma despedida de temporada melancólica para quem atravessou o Atlântico em um jatinho particular para se apresentar à seleção ambicionando o título da Copa América. “Isso tornaria a temporada perfeita”, disse à época. Imaginava ser o "cara'' do torneio para poder, no fim do ano, ficar entre três melhores do mundo, embora descartasse a Bola de Ouro por enquanto. “Seria uma honra, mas essa Bola de Ouro já tem dono, é o Messi.”

O começo na Copa América foi promissor, porque ele levou a equipe à vitória sobre o Peru e chegou a 44 gols pela seleção, tornando-se o quinto maior goleador da equipe ao lado de Jairzinho e Rivellino - ainda está atrás de Romário (56), Zico (66), Ronaldo (67) e Pelé (97). “Quero continuar atingindo marcas como essa para ajudar minha equipe com gols e passes.”

Mas, pelo menos por enquanto, não vai dar. Enxotado da Copa América, Neymar curte férias e, sobretudo, esfria a cabeça e recarrega as baterias. Afinal, daqui a pouco recomeça a caminhada de Neymar para ter, enfim, uma temporada perfeita.


Tudo o que sabemos sobre:
NeymarFC BarcelonaCopa América

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Craque tem investido em fotos com a família nas redes

Neymar é um sucesso entre os internautas

Almir Leite e Gonçalo Júnior, enviados especiais a Concepción, O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2015 | 17h00

Neymar está preocupado com a sua imagem nas redes sociais depois que foi suspenso por quatro jogos e excluído da Copa América. Desde que deixou a concentração da equipe em Santiago, o jogador tem usado as redes sociais, especialmente o Instagram, para publicar unicamente imagens com seus familiares. Pessoas próximas ao jogador afirmam que a seleção das imagens de familiares não é proposital, mas que “pegaria mal” postar fotos de viagem nesse momento. 

No dia 25 de julho, por exemplo, o craque do Barcelona postou uma foto ao lado da irmã, Rafaela, exibindo a tatuagem que fez em homenagem a ela. “Tá na pele”, escreveu. 

 

Ta na pele ❤️❤️❤️ @rafaella

Uma foto publicada por Nj 🇧🇷 (@neymarjr) em

Um dia antes, Neymar publicou uma imagem ao lado do pai, que está com um problema no joelho e por isso, não o acompanhou no Chile. O pai aparece em uma cama, com a perna esquerda imobilizada. “Papai se recuperando”, publicou. 

O filho Davi Lucca é figurinha carimbada, principalmente nos últimos dias. Até a mãe de Neymar, sempre discreta e com poucas aparições na vida pública do filho, está nas redes. “Minha outra vida”, escreveu o craque da seleção sobre Nadine. A única imagem recente em que Neymar aparece em atividade de lazer foi uma rodada de pôquer registrada no perfil de um amigo. 

A decisão de deixar a concentração da seleção na última segunda-feira foi de Neymar. “Continuar treinando sem ter o objetivo de jogar ia me matar por dentro.” 

A comissão técnica avaliou que seria melhor o jogador voltar ao Brasil para não tirar o foco do resto do grupo. “Nós conversamos e decidimos o que é melhor para a seleção brasileira”, disse Dunga. 

A CBF abriu mão de tentar reduzir a punição de Neymar, e os jogadores também o apoiaram. “Ele precisa de férias para dar um descanso para aquelas perninhas abençoadas”, disse Thiago Silva antes de a saída ter sido oficializada. 

Neymar tem férias programadas para Ibiza, na Espanha, mas deve ficar mais alguns dias no litoral paulista.

Tudo o que sabemos sobre:
NeymarFC BarcelonaCopa América

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.