Reuters
Reuters

Novas acusações surgem na tentativa de impedir venda de Wembley para bilionário

Shad Khan, empresário paquistanês-americano, é dono do Fulham e da franquia Jacksonville Jaguars, da NFL

Estadão Conteúdo

09 Outubro 2018 | 18h30

Novos obstáculos surgiram para impedir a compra do estádio de Wembley, em Londres, pelo investidor Shad Khan, empresário paquistanês-americano. A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) anunciou nesta terça-feira que analisa acusações de irregularidades nos negócios do bilionário, apresentadas por um ex-funcionário de Khan.

Craig Kline, que foi demitido de seu cargo de diretor assistente de operações do Fulham no ano passado, reuniu-se com membros da FA nesta segunda-feira, depois de se apresentar como um denunciante com informações.

Khan, que é dono do Fulham e da franquia Jacksonville Jaguars, da NFL, esperava conseguir fechar rapidamente o negócio, depois de oferecer, em abril, 600 milhões de libras (R$ 2,93 bilhões) por Wembley. Mas a proposta sofreu resistência por parte de vários integrantes do conselho da FA, que são contra a venda do tradicional estádio londrino para um investidor estrangeiro.

"Recentemente fomos contatados por Craig Kline, que fez uma série de alegações sobre o Fulham FC", disse a FA em um comunicado. "Estamos atualmente no processo de revisão dessas alegações."

Khan está confiante de que a FA não encontrará nenhum delito cometido por ele. "Isso nada mais é do que as mesmas afirmações absurdas e falsas feitas por um ex-funcionário que deixou o clube em 2017", disse Jim Woodcock, porta-voz de Khan. "Nada aqui merece mais uma resposta."

O Conselho da FA discutirá os termos da proposta de aquisição na quinta-feira, embora uma decisão do órgão sobre se deve prosseguir com a negociação só deve ocorrer em duas semanas.

Uma apresentação da FA nesta terça-feira aos membros do seu conselho e dirigentes de agências regionais apresentou críticas à possibilidade venda. "É como vender o Palácio de Buckingham a Donald Trump", disse um jogador não identificado durante uma gravação.

A diretoria da FA iniciou uma consulta pública a 22,5 mil pessoas, incluindo dirigentes de clubes e ligas, árbitros, jogadores adultos e jovens, treinadores, voluntários e membros do público em geral para saber as opiniões sobre a possibilidade de uma venda.

Cerca de 45% dos jogadores de base perguntados pela FA não apoiaram a venda, com apenas 38% sendo a favor. Apenas em um dos nove grupos de pessoas questionadas pela FA - jogadores jovens - houve mais apoio do que oposição. A maioria dos torcedores e membros do público em geral é contrária à negociação.

Sob os termos de qualquer venda, o nome do estádio deveria ser mantido. E a FA teria de aprovar a presença de uma futura franquia da NFL em Londres, desde que usasse o estádio entre setembro e dezembro, ficando disponível para os principais jogos de futebol no restante do ano.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Wembley [estádio] futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.