Novato no Palmeiras, Henrique garante estar acostumado com a pressão

Jogador que veio da Portuguesa tem se saído bem no papel de substituto de Alan Kardec

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

12 de maio de 2014 | 10h20

SÃO PAULO - A pressão que o atacante Henrique vem sentindo por ter de substituir Alan Kardec, principal jogador do Palmeiras, não é novidade em sua carreira. O autor do gol da vitória sobre o Goiás, pelo Brasileirão, afirma que essa situação tem sido uma constante em sua carreira. "Estou acostumando a isso. É uma pressão adicional, mas consegui superar todos os desafios", diz o jogador.

Todos esses desafios que ele enfrentou até agora foram enfrentados em clubes menores. No Mogi Mirim, ele foi o substituto de Hernane; na Chapecoense, teve a missão de entrar no lugar de Rodrigo Gral e, na Portuguesa, seu objetivo era fazer a torcida se esquecer do artilheiro Gilberto. "O segredo é manter a tranquilidade e criar oportunidades. Uma hora, o gol aparece".

A exceção para essa sequência de situações difíceis foi o Santos. Ali, não teve muitas chances com o técnico Muricy Ramalho e não conseguiu se firmar. Ele reclama que não chegou nem a conhecer o presidente do clube, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro. "Não sei o que houve, mas nem cheguei a falar com ele. É uma situação que não gosto muito de lembrar".

Por enquanto, a experiência no Palmeiras está entrando na lista daquelas que foram bem-sucedidas. Autor de três gols nos últimos três jogos, Henrique já fez a torcida esquecer o artilheiro que se transferiu para o São Paulo. "Tenho feito os gols, mas isso é fruto de um trabalho coletivo. O Palmeiras tem ótimos passadores", elogia.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasHenriqueBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.