Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Novato, técnico argentino recorre a velhos amigos para reerguer seleção

Lionel Scaloni traz antigos colegas dos tempos de jogador para ajudar no trabalho com a equipe

Ciro Campos, enviado especial a Salvador, OEstado de S. Paulo

17 de junho de 2019 | 04h30

A possível cura para a interminável crise técnica da seleção argentina pode ser uma amizade de longo tempo e os conselhos de quem se conhece desde a juventude. O treinador interino Lionel Scaloni conta nesta Copa América com uma comissão técnica formada por amigos de décadas, a quem recorre costumeiramente recorre para ouvir recomendações, como foi no caso do treino do time neste domingo, em Salvador.

Scaloni foi um dos primeiros a ir ao gramado na primeira atividade da Argentina depois da derrota por 2 a 0 no sábado, para a Colômbia, na Fonte Nova. Ainda como interino da equipe, o treinador passou a primeira parte do trabalho em uma roda de conversas reunido com os auxiliares que indicou para compor a comissão técnica, todos da mesma turma de ex-jogadores. Pablo Aimar, Walter Samuel e Roberto Ayala ajudam a dar confiança ao trabalho do novato.

Chamar Scaloni de principiante na profissão não é errado. Aos 41 anos, ele assumiu a Argentina depois da Copa da Rússia, ainda nomeado como interino depois da saída de Jorge Sampaoli. O ex-lateral de times como Deportivo La Coruña e Mallorca teve o primeiro jogo oficial no cargo a estreia na Copa América contra a Colômbia. Antes disso, havia dirigido a Argentina em menos de dez amistosos.

O lateral nunca havia sido técnico antes de assumir o compromisso com a Argentina. Para contornar o desafio de iniciar na profissão, ele pediu à Associação de Futebol da Argentina (AFA) para contar com velhos conhecidos na equipe de auxiliares. Scaloni recorreu a companheiros do time campeão mundial sub-20 em 1997, como o ex-zagueiro Samuel e integrou o ex-meia Pablo Aimar, que é funcionário da AFA desde 2017.

Os dois são os pricipais parceiros do interino no trabalho. Para completar a equipe, Scaloni chamou no começo deste ano o ex-zagueiro Ayala, colega de elenco argentino na Copa de 2006. Ayala ocupava antes a função de comentarista. A comissão técnica é um amparo para o treinador, tanto para o início de profissão como na difícil missão de conduzir a seleção argentina.

A derrota por 2 a 0 para a Colômbia deixa a Argentina obrigada a vencer na próxima quarta-feira o Paraguai, no Mineirão, para não se complicar na disputa por vaga nas quartas de final da Copa América. A equipe não conquista um título desde julho de 1993, ano da última conquista continental, obtida ao bater o México na final. A competição foi realizada no Equador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.