Novatos sonham com chance no Palmeiras

Willian foi dispensado pelo Corinthians dois anos atrás. Thiago Gomes intercala os treinos com as aulas do curso de Educação Física. Rafael Marques passou fome quando morou no alojamento da Ponte Preta. E Júlio Cesar realizou recentemente o sonho de andar de avião. Os quatro jogadores, com histórias de vida diferentes e idades que variam de 17 a 22 anos, começaram a viver o sonho de defender o Palmeiras há duas semanas. E a certeza de que a chance de entrar em campo pode chegar logo não sai da cabeça dos meninos. "Agora é a minha vez de cuidar dos meus avós, que me criaram desde pequeno", sonha o meia Willian, que com apenas 17 anos foi o principal destaque da equipe que chegou à semifinal da Copa São Paulo de Juniores.Por enquanto, recebe do clube pouco mais de um salário mínimo por mês. Mesmo com pouco dinheiro na conta, Willian não tem do que reclamar. Há duas semanas assinou contrato com o empresário Wagner Ribeiro que, além de lhe dar alguns pares de chuteiras, passou a cuidar de seus interesses e a reforçar seu orçamento com uma ajuda de custo. "Não vou me iludir. O trabalho do Wagner vai depender diretamente do meu desempenho dentro de campo. O futebol costuma pregar peças."O meia ainda se ressente da forma como deixou o pré-infantil do Corinthians, há dois anos. "Não tive chance de jogar. Não me enquadrei no esquema e fui obrigado a sair", explica, sem querer citar o nome do treinador que o teria afastado - o técnico que o descartou foi Douglas, pai do volante Wendell, que em 2003 chegou a jogar no time profissional do Corinthians.Com 20 anos, o atacante Rafael Marques assinou contrato com o Palmeiras até o final do Campeonato Paulista. Mesmo não tendo chance de jogar até agora, não vê motivos para reclamar. "Quando era amador na Ferroviária, recebia ajuda de custo de vez em quando. E no ano passado, morando no alojamento da Ponte Preta, cheguei a passar fome porque aos sábados e domingos o clube não servia o café da noite."Agora, Rafael espera que o clube decida pela compra de 60% de seus direitos federativos, que hoje pertencem integralmente ao seu empresário, o ex-jogador Lê. "O clube tem até o dia 28 para fazer isso. Se tudo acontecer como pretendo, ficarei aqui por muitos anos."Independentemente de entrar em campo, o meia Júlio Cesar, de 20 anos, já conseguiu realizar um de seus sonhos. Ao viajar semana passada para Belém, onde ficou no banco de reservas na vitória do Palmeiras sobre a Tuna Luso por 3 a 1 pela Copa do Brasil, andou de avião pela primeira vez. "O primeiro passo eu já dei. Estar em uma equipe grande é bom demais", diz. "Mas não foi fácil subir na carreira. Se não fosse pela força que recebi dos meus pais, teria desistido", lembra.Julio Cesar chegou ao Parque Antártica em dezembro, a tempo de disputar a Copa São Paulo, depois de ganhar sua liberação na Justiça, que estava em poder do Rio Branco de Americana. "O clube ficou vários meses sem depositar o Fundo de Garantia", explica.Otimista, o zagueiro Thiago Gomes, de 22 anos, acredita que logo terá sua oportunidade. "O Palmeiras vai disputar vários campeonatos. O momento de entrar em campo vai chegar", sonha.Em poucos dias, Thiago já se enturmou com alguns jogadores, especialmente Pedrinho e Magrão, de quem recebeu alguns conselhos. "Falaram para ter cuidado e não cair na tentação. Mas eu nem tenho muito tempo para isso. Saio dos treinos direto para a Unip, onde curso o terceiro ano de Educação Física. Mas tomara que logo a rotina de jogos e viagens me obrigue a trancar a matrícula."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.