Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Novo capitão da seleção, Renato Augusto exalta parceria com Tite

Meia foi importante na passagem do técnico pelo Corinthians

Ciro Campos, enviado especial a Natal, O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2016 | 20h28

O meia Renato Augusto se prepara para uma oportunidade inédita na carreira, a de ser capitão da seleção brasileira, posto que ocupará nesta quinta-feira, na partida contra a Bolívia, em Natal, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Por isso, na véspera da partida, nesta quarta, o jogador do Beijing Guoan, da China, agradeceu ao técnico Tite pela confiança e por ter lhe ajudado a desenvolver a sua carreira.

"É difícil falar dele, ainda mais com o Tite aqui do meu lado", disse o meia na entrevista coletiva na Arena das Dunas, local do jogo desta quinta. "Com ele eu encontrei a minha melhor forma tática, técnica e física. Ele me deu abertura para falar de tática. Eu evoluí muito com ele graças a isso. Espero poder agradecer dentro de campo, trazendo vitórias e títulos", afirmou.

Renato Augusto foi contratado pelo Corinthians de Tite em 2013. O meia superou no clube recorrentes problemas de lesão para viver o ápice no ano passado. Como titular do time campeão brasileiro, o jogador revelado pelo Flamengo acabou por se firmar na lista de convocados para a seleção brasileira e despertou o interesse do futebol chinês, para onde se transferiu em janeiro.

Por conhecer Tite, Renato Augusto afirmou que não se sente deslumbrado com o posto de capitão. "No Corinthians tínhamos uma rotatividade na faixa de capitão. Vamos dividir a responsabilidade. Para mim, não vai mudar. É uma honra muito grande. Estou feliz por isso", explicou. Antes do meia, o zagueiro Miranda e o lateral Daniel Alves foram os capitães nas rodadas anteriores.

Aos 28 anos e com a medalha de ouro olímpica no currículo, Renato Augusto afirmou que as quatro mudanças na formação titular não vão alterar o estilo de jogo da equipe. "Já encontramos um padrão tático. Eu como capitão posso dizer que quem entra no time, já tem noção do que vai fazer. Todos são de alto nível. Até quem não jogou, sabe como é a nossa postura tática", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.