Novo destino do lateral-esquerdo Kléber pode ser a Inglaterra

Time interessado no santista não foi informado, mas seu pai e procurador assegura que é de ponta

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

24 de janeiro de 2008 | 17h46

Os próximos seis dias serão decisivos para o futuro do lateral-esquerdo Kléber. A idéia de uma troca por jogadores do São Paulo, com o Santos ainda recebendo uma compensação em dinheiro, não vingou. Seus agentes ainda alimentam a esperança de uma negociação com um grande clube europeu e nesta quinta-feira surgiu a informação do interesse de um clube da Inglaterra.  Enquanto isso, Emerson Leão demonstra impaciência com a demora na recuperação de Kléber. E o presidente santista, Marcelo Teixeira, sonha com uma transação internacional para por a casa em ordem. E até disse aos agentes do lateral que ele é o primeiro da lista para ser negociado. "Não estou conseguindo conversar com [Juan] Figer, que está na Europa", disse, nesta quinta à tarde, por telefone, Jordão Corrêa, pai e procurador de Kléber. Ele foi avisado pelo mais famoso dos agentes Fifa em atividade no Brasil que há possibilidade de um clube da Inglaterra apresentar a uma proposta por Kléber ao Santos. "Figer não me disse o nome do clube, mas com certeza é da primeira divisão", completou Corrêa.  Embora o prazo para transferências internacionais termine no dia 31, Corrêa continua animado. "Para essa gente não há sábado, domingo e feriado. O trabalho dos agentes é em tempo integral."  Depois de Roma e Lazio, da Itália, e Monaco, da França, no meio do ano passado, surgiram informações, não confirmadas, de que o lateral santista estava negociado com o Palermo, também da Itália. Em seguida houve especulações em torno de sua indicação ao Bayern de Munique e do interesse dos espanhóis Valência e Sevilha, o que torna Kléber no jogador mais 'negociados' do futebol brasileiro nos últimos oito meses, embora continue preso ao Santos, onde tem um dos mais altos salários, e em dólar. Na quarta-feira, conforme determinação dos médicos e fisioterapeutas do clube, Kléber fez alguns exercícios em aparelhos e apenas caminhou em volta de um dos campos do CT Rei Pelé. Nesta quinta, ele deveria treinar com bola, mas outra vez só fez exercícios em aparelhos. Sua contusão, sofrida no primeiro tempo do jogo contra a Portuguesa, era tida como um estiramento do músculo adutor da coxa direita, não comprovada nos exames por imagem. Depois, Kléber disse que as dores eram um pouco mais acima da virilha, semelhante às de uma hérnia. E mesmo que treine em campo nesta sexta-feira e sábado, o lateral-esquerdo não vai jogar contra o Bragantino, neste domingo à noite, na Vila Belmiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Kléber

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.