site/Flamengo
site/Flamengo

Novo diretor executivo, Noval quer definir técnico do Flamengo até domingo

"Vai ter que se adequar à filosofia que o Flamengo tem. Estamos estudando e vamos resolver com calma."

Estadão Conteúdo

02 de abril de 2018 | 20h22

O Flamengo apresentou oficialmente nesta segunda-feira Carlos Noval como seu novo diretor executivo de futebol. Substituto de Rodrigo Caetano, ele já chega com uma importante primeira missão, que pretende resolver até, no máximo, o fim de semana: o novo técnico do time rubro-negro.

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

"Não podemos esperar muito nesse deadline. Pelo menos até o fim da semana, temos que ter o nome definido", declarou. "Vai ter que se adequar à filosofia que o Flamengo tem. Se tem mais experiência ou é mais novo, o importante é se adequar. Estamos estudando e vamos resolver com calma."

Noval foi anunciado no último sábado, um dia depois da demissão de Caetano. Também na sexta, o Flamengo definiu as dispensas do técnico Paulo César Carpegiani, do auxiliar Jayme de Almeida e do preparador físico Marcelo Martorelli, vagas para as quais ainda não há substituto.

Mas o foco está mesmo no novo treinador, e neste primeiro momento, Noval despistou sobre qualquer nome. O novo dirigente inclusive fez questão de elogiar Maurício Barbieri, auxiliar que está no comando interino da equipe, e não descartou a possibilidade de efetivá-lo.

"O Mauricio Barbieri é extremamente qualificado, tem um perfil que gosto muito. Há quatro anos, eu quis trazer para o Flamengo", lembrou. "É novo, moderno, qualificado para o cargo. Está em constante evolução, estudou para isso. Ele se envolve em todos os departamentos, se encaixa nesse perfil. Pode vir alguém de fora ou ser o Barbieri. Estamos avaliando, não tem nada fechado ainda."

Para ter êxito neste novo desafio, Noval conta com a experiência de quem teve sucesso na base rubro-negra. Em oito anos, ajudou a levar o time rubro-negro a 73 conquistas nas categorias inferiores, incluindo três da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2011, 2015 e 2018. Por isso, recebeu um voto de confiança da alta cúpula flamenguista.

"É um desafio tremendo", considerou. "Lidava com muitos meninos, pais, empresários. A grande diferença talvez seja o valor que ganham, mas no pessoal o tratamento vai ser igual. Vou tratar Guerrero, Diego, assim como tratava os meninos na base. Sempre transparente", prometeu.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.