Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Novo guia médico da CBF proíbe jogador de cuspir em campo e exige que cortem as unhas

Versão atualizada do protocolo recomenda cuidados especiais aos times em hotéis e teste do olfato com cravo e café em pó

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2020 | 07h00

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) concluiu no início deste mês uma nova versão de um guia para nortear a volta dos times nos treinos e jogos após a paralisação causada pela pandemia do novo coronavírus. O documento obtido pelo Estadão traz detalhes minuciosos sobre a retomada das atividades, em especial sobre a rotina dos atletas. Atletas não poderão mais cuspir no chão em treinos e partidas oficiais, quando elas voltarem. Trata-se de um hábito muito comum entre os jogadores, vez ou outra flagrado pelas imagens da transmissão. Do refeitório ao banho e do uniforme às unhas, tudo ganhará atenção especial.

Quem apresentou o guia à reportagem e contou detalhes sobre o processo de produção do material foi o ortopedista e coordenador médico da seleção brasileira de futebol feminino, Nemi Sabeh Júnior. O médico é um dos responsáveis pelo intitulado Guia Médico de sugestões protetivas para retorno das atividades do futebol brasileiro. Outros participaram. O documento tem 32 páginas e envolveu o trabalho de 17 médicos, entre ortopedistas, infectologistas e especialistas em bioinformática.

Segundo Sabeh, o guia foi produzido ao longo de um mês. A primeira reunião para definir o conteúdo contou com 150 médicos e uma discussão de quatro horas de duração. O coordenador do trabalho é o diretor médico da CBF, Jorge Pagura, o responsável direto também por levar o material ao Ministério da Saúde. "O protocolo foi feito inteiramente com a orientação e anuência do Ministério da Saúde", explicou Sabeh.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O protocolo foi feito inteiramente com a orientação e anuência do Ministério da Saúde
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Nemi Sabeh Júnior, Médico da CBF

O guia divide a retomada do futebol em cinco diferentes estágios, com início na etapa de treinamentos em casa até uma etapa final, voltada ao acompanhamento após o retorno do calendário. O ponto mais delicado é justamente o retorno dos atletas aos centros de treinamentos, quando a rotina prevê a medição diária de temperatura e uma série de cuidados no cotidiano. O futebol como a gente conhecia vai mudar.

Em um primeiro momento, os jogadores deverão evitar o vestiário e irem ao local de treinos já com o uniforme de trabalho. Os banhos terão de ser tomados em casa e não mais nos vestiários. Já em uma fase seguinte da retomada, será permitido o trabalho em grupo com o atendimento a outros cuidados de segurança. Será preciso ter um revezamento de banhos, os roupeiros deverão separar as camisas dos atletas em sacos individuais e a utilização de piscinas ainda estará proibida.

Outro cuidado será com as refeições. Os clubes não vão mais poder servir comida ao elenco em bufês, mas somente com pratos feitos especificamente para cada jogador, uma espécie de marmitex. "O prato terá de ser feito já montado, na cozinha. Um prato para cada um. Teremos mudanças importantes, mas que são complexas e cuidadosas de execução, principalmente para quem cuida da alimentação", afirmou o médico da CBF. Futuramente, quando os times voltarem a viajar, os hotéis deverão ter um esquema especial de cuidados, sem serviço de quarto ou de limpeza nos quartos para evitar o contato com outras pessoas.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O retorno dos times para as competições não pode ser imediato. Precisa ter uma fase anterior de treinamento físico, para evitar lesões
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Nemi Sabeh Junior, Médico da CBF

Para reforçar a higiene, a CBF recomenda que os atletas mantenham as unhas cortadas e evitem sair de casa. "O retorno dos times para as competições não pode ser imediato. Precisa ter uma fase anterior de treinamento físico, para evitar lesões. Se não fizéssemos o documento, a volta seria de forma muito aleatória", disse Sabeh. Porém, o documento não estipula prazos. Tal definição caberá aos órgãos de saúde.

TESTE DO CAFEZINHO

O guia feito pela CBF recomenda que os clubes façam testes contínuos para monitorar possíveis casos do novo coronavírus.  "Cada clube pelo menos dois dias antes de um jogo vai realizar testes para que possa ser realizado a partida", afirmou o médico. Fora o exame da coleta de secreção nasal, o texto sugere a realização de uma prova mais simples: um teste com café em pó ou cravo.

Caso alguém relate que perdeu a sensibilidade do olfato, a recomendação é para fazer a pessoa cheirar uma porção dessas duas substâncias. Se ainda assim não conseguir sentir, o paciente será encaminhado para exames mais detalhados. "Cerca de 80% das pessoas que têm covid-19, apresentam diminuição do olfato. Se você for testar a pessoa, tenho de tirar o sangue. Mas o 'teste do cafezinho' é mais facil e barato. Claro que tem uma margem de erro, mas isso funciona como um aviso", explicou Sabeh.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.