Novo nome causa polêmica na Lusa

Uma piada dizia que uma vez o Conselho Deliberativo da Portuguesa fez uma reunião para decidir sobre a mudança do time, tentando afastar o estigma de time de colônia. Depois de dez horas de discussão, os dirigentes decidiram mudar o nome do time de Associação Portuguesa de Desportos para Portuguesa Futebol Clube. Mas a colônia portuguesa não está rindo nem um pouco com a proposta apresentada segunda-feira por José Carlos Brunoro para mudar o nome da equipe para Real Portuguesa. Os membros mais antigos da comunidade lusa estão, no mínimo, irritados com a sugestão."O Brunoro que vá mudar o nome da chácara dele. Ou então o do Palmeiras, ou o da Parmalat, de onde ele veio. Isso não é assunto para um indivíduo qualquer como ele. Se eu fosse presidente da Portuguesa, ele estaria demitido hoje", disse Joaquim Justo dos Santos, membro do Conselho Deliberativo e provável candidato à presidência do clube nas eleições de novembro.Joaquim diz que a idéia de mudança do nome do clube já foi aprovada pelo Conselho Deliberativo há três anos, mas que a decisão final e a escolha de um nome definitivo só poderia vir de uma Assembléia Geral com o voto de todos os sócios. Mesmo assim ele diz que a sugestão de Brunoro não foi boa. "Real é coisa de espanhol. O nosso real não vale nada. A Portuguesa precisa é de gente competente na administração", reclamou.Respeito - Vice-presidente do Conselho de Orientação Fiscal e dono do restaurante Alfama dos Marinheiros, Jerônimo Gomes Alves também odiou a idéia. "Sou totalmente contra. O nome da nossa mãe nunca deve ser mudado. É preciso respeitar os nossos antepassados. Temos uma comunidade rica e precisamos de um patriarca que toque o time. Mudar o nome do time não vai fazer com que os atletas joguem mais."A sugestão escancarou a resistência que grupos oposicionistas da Portuguesa têm à administração do presidente Amílcar Casado e a Brunoro, contratado para modernizar o time. "Ele veio do Botafogo de Ribeirão Preto, onde não ganhou nada, e não fez nada na Portuguesa também", protestou Jerônimo.O vice-presidente de Comunicação do clube, José Luiz Ferreira de Almeida, também é contrário à mudança. "Não é mudando o nome do time que vamos conseguir títulos ou mais torcedores. Quem torce para o Palmeiras não vai passar para o nosso lado só porque o nome mudou. E não adianta nada. Seria como querer mudar o nome do Brasil para Maria das Couves só porque o País está mal das pernas", afirmou ele.

Agencia Estado,

19 de junho de 2001 | 22h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.