Novo presidente da FIGC despista sobre técnico da Itália

Em sua primeira aparição oficial como presidente da entidade, Tavecchio já foi questionado sobre possíveis candidatos ao cargo

Estadão Conteúdo

12 de agosto de 2014 | 10h09

Eleito na última segunda-feira o novo presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC, na sigla em italiano), Carlos Tavecchio terá como primeira missão no cargo escolher o novo técnico da seleção da Itália, que na última Copa do Mundo acabou eliminada na primeira fase da competição. No mesmo dia da queda diante do Uruguai na competição realizada no Brasil, o técnico Cesare Prandelli e Giancarlo Abete, que presidia a entidade, pediram demissão dos seus cargos.

Tavecchio, de 71 anos, derrotou Demetrio Albertini na votação da última segunda para assumir a presidência, mesmo depois de ter sido pivô de uma polêmica por causa de declarações consideradas racistas. E já na sua chegada à sede da FIGC, nesta terça-feira, o dirigente foi questionado por repórteres sobre quem poderá assumir o comando técnico da seleção.

Entretanto, o dirigente preferiu despistar e não apontar possíveis opções para o cargo, que ficou vago a partir de 24 de junho, data da eliminação da Itália do Mundial, principalmente por causa da renúncia de Abate. "Estamos trabalhando, temos iniciativas em andamento. Não posso dizer mais nada", afirmou Tavecchio.

Antonio Conte é um dos favoritos a substituir Prandelli. O treinador tem sido apontado como possível novo técnico do time nacional depois de ter pedido demissão da Juventus de forma surpreendente, pois foi campeão das últimas três edições do Campeonato Italiano.

Responsável por definir o novo técnico da seleção italiana, Tavecchio venceu a eleição da última segunda-feira com 63,63% dos votos, contra 33,95% de Albertini. Ao todo, 274 delegados da FIGC votaram no pleito. Mesmo envolvido em uma polêmica com racismo, ele era visto como favorito para vencer a disputa desde que ganhou o apoio da Lega Pro, responsável por organizar as duas primeiras divisões do Campeonato Italiano.

Antes um dos vice-presidentes da FIGC, Tavecchio se tornou protagonista de uma grande polêmica quando foi questionado sobre a presença de jogadores estrangeiros na Itália. "Na Inglaterra, eles escolhem os jogadores com base no profissionalismo, enquanto dizemos que ''Opti Poba'' está aqui. Ele estava comendo bananas antes e agora está como titular da Lazio e tudo bem", declarara o dirigente, há cerca de duas semanas, quando estaria fazendo uma referência ao camaronês Joseph Minala, que chamou a atenção na última temporada ao ser contratado pela Lazio e aparentar ter muito mais do que os 17 anos de idade relatados por ele. Após uma investigação, no entanto, a Federação Italiana constatou que o jogador falava a verdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.