Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
AFP
AFP

Novo ranking de clubes vai definir cabeças da chave da Libertadores

Conmebol tenta usar parâmetro igual o da Liga dos Campeões

Estadão Conteúdo

23 de novembro de 2015 | 17h57

A Confederação Sul-Americana de Futebol anunciou nesta segunda-feira que vai criar um ranking de clubes. A lista vai servir para definir, entre outras coisas, os cabeças de chave da Copa Libertadores do ano que vem, segundo informou o presidente da entidade, Juan Ángel Napout, em entrevista ao FOX Sports.

O dirigente não deu maiores detalhes sobre o novo ranking, apenas que ele já será utilizado na próxima edição do torneio continental. "Os cabeças de chave desse ranking serão definidos de acordo com esse ranking. Estamos trabalhando arduamente para fazer o torneio ainda mais emocionante, lançando esse ranking com base no histórico e no desempenho dos clubes nos últimos dez anos", contou o dirigente paraguaio.

Nos últimos anos, a Conmebol vinha adotando um sistema de rodízio entre os cabeças de chave. Brasil e Argentina tinham sempre dois cabeças de chave. Nos anos ímpares, esses postos eram ocupados por Colômbia, Equador, Venezuela e Peru. Nos pares, de Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai.

Isso, entretanto, criava algumas anomalias. Neste ano, São Paulo (tricampeão), Corinthians (campeão em 2012) e San Lorenzo (então atual campeão) caíram no mesmo grupo, porque só os argentinos eram cabeças da chave.

O novo sistema tenta se aproximar do sistema utilizado pela Liga dos Campeões da Europa. Neste torneio, os cabeças de chave são os campeões dos oito países mais bem colocados no ranking da Uefa. Depois, os potes são formados a partir do ranking de clubes.

RENOVAÇÃO

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) anunciou nesta segunda-feira que renovou até 2018 o contrato de transmissão de seus torneios interclubes, entre eles a Copa Libertadores. Segue com a FOX Sports os direitos de exibição em TV e outras mídias digitais da Libertadores, da Recopa e da Sul-Americana, entre outros, para todo o mundo, pelas próximas três temporadas.

A venda de direitos de transmissão de torneios, em especial da Copa América, está no centro do escândalo de corrupção de que assola não apenas a Conmebol, mas também a Concacaf. A falta de transparência permitiu que ambas negociassem os torneios com terceiros, que pagavam propina para ficar com os contratos, e depois os repassavam às emissoras.

Agora, a renovação vem novamente sem transparência, ainda que a Conmebol bata na tecla de que o contrato segue as novas diretrizes da entidade. "A atual diretoria da Conmebol tem trabalhado para estabelecer procedimentos internos que garantam a transparência e a integridade de todas as operações da Conmebol. Este acordo com a FOX reflete o compromisso da Conmebol de melhorar a governança e a integridade institucional", diz o comunicado da confederação sul-americana.

A nota indica que não houve concorrência entre emissoras para a venda dos direitos de transmissão dos torneios, mas promete que isso vai acontecer quando o atual contrato vencer. "Num futuro próximo, a Conmebol disporá a licitação internacional pública para as edições a partir de 2019", garante.

Pelo que explicou a entidade, a FOX vai pagar um "valor maior" pelos torneios, e isso vai beneficiar "todos os clubes participantes". A Conmebol, entretanto, não explicou quanto a emissora norte-americana vai desembolsar, nem como será a distribuição do dinheiro. O Corinthians chegou a ameaçar não jogar a Libertadores de 2016 por conta do baixo valor recebido pelos clubes - US$ 900 mil por jogo da fase de grupos.

Além da Libertadores, da Sul-Americana e da Recopa, torneios mais conhecidos da Conmebol, a FOX também ficou com os direitos de transmissão das versões sub-20, feminina, de salão e de praia da Libertadores até 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.