Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Novo rico do futebol, Monaco oferece R$ 176 milhões por Hulk

Clube do Principado está investindo pesado para o Campeonato Francês e atacante da seleção está perto de ser contratado

18 de julho de 2013 | 07h30

MÔNACO - O atacante Hulk ainda não conquistou totalmente os brasileiros. Na Europa, porém, ele continua bastante valorizado. O Monaco acaba de oferecer ao Zenit 60 milhões (cerca de R$ 175,6 milhões) para comprá-lo e o acordo está prestes a ser concretizado. Será uma das três maiores negociações desta temporada europeia.

Hulk aguarda na Rússia, para onde viajou sábado depois de alguns dias de descanso pós-Copa das Confederações, o desfecho das negociações. Ele não jogou ontem pelo Zenit na estreia no campeonato local – vitória por 2 a 1 sobre o Krasnodar –, mas no clube a informação é de que estará em campo domingo contra o Rubin Kazan. Caso não seja negociado até lá, claro, o que parece improvável.

De acordo com a emissora de rádio francesa "RMC Sport’’, Hulk já chegou a acordo salarial com o Mônaco e aguarda apenas o acerto do clube do Principado com os russos. O empresário do jogador, Teodoro Fonseca, prefere não entrar em detalhes sobre a transação e não confirma acerto financeiro entre o seu representando e o novo-rico do futebol europeu (mais informações nesta página). "Cabe ao clube confirmar isso e comunicar à imprensa’’, limitou-se a dizer.

Mina de ouro. Hulk tem movimentado milhões de euros. Há menos de um ano, mais exatamente em 3 de setembro de 2012, o Zenit investiu também 60 milhões (R$ 159 milhões na época), portanto o mesmo valor que está prestes a receber agora, para tirá-lo do Porto.

Uma contratação que deu o que falar. O brasileiro assinou contrato por cinco temporadas com o clube de São Petersburgo com salário anual que atingiria 6,5 milhões de euros (R$ 19 milhões em valores atuais). Isso causou revolta na maioria dos jogadores do Zenit, que têm vencimentos bem menores.

O clube chegou até mesmo a afastar dois dos maiores ídolos da torcida – o volante Denisov e o atacante Kerzhakov, ambos titulares da seleção russa –, por terem se insurgido publicamente contra o alto salário pago a Hulk, e também ao belga Witsel, um volante contratado do Benfica na mesma época. Reclamavam que os salários dos atletas que já estavam a serviço do Zenit eram bem menores e consideravam um absurdo valorizar os recém-chegados.

Hulk sempre negou ter problema de relacionamento e que sofresse boicote dos "companheiros’’ de Zenit. Mas o fato é que também enfrenta resistência de parte da torcida – uma ala mais radical chegou a pedir à diretoria do clube, no ano passado, que não contratasse negros, latinos e gays –, a ponto de uma falsa bomba, com fotos do brasileiro, ter sido deixada no CT do time russo em setembro, num atitude entendida como ameaça explícita ao atacante.

O brasileiro não chegou a ser agredido ou sofrer efetivamente algum atentado – nem seus familiares –, mas não teve uma grande temporada no Zenit. Poucas vezes se destacou, apesar de ter sido titular durante todo o tempo. Nem por isso perdeu prestígio na Europa. A ponto de, antes do interesse do Monaco, ter sido sondado por vários clubes. E o técnico português José Mourinho, ao acertar sua volta ao Chelsea, colocou o brasileiro na lista de reforços que gostaria de receber.

Não deu negócio com os ingleses, mas agora Hulk está perto de jogar o Campeonato Francês. Concretizada, a ida de Hulk para o Monaco envolverá mais dinheiro do que a negociação que levou Neymar do Santos para o Barcelona ( 57 milhões, ou R$ 166,9 mi).

Tudo o que sabemos sobre:
esportes, futinter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.