Josep Lago / AFP
Josep Lago / AFP

Novo técnico da seleção inglesa feminina pede desculpas por comentários sexistas

Phil Neville disse em 2011 e 2012 que mulheres estariam ocupadas com serviços domésticos e não com televisão, entre outras coisas

Estadão Conteúdo

24 Janeiro 2018 | 13h53

Um dia depois de ser anunciado como novo técnico da seleção feminina da Inglaterra pela associação de futebol do país, Phil Neville se desculpou publicamente pelos comentários sexistas publicados por ele nas redes sociais há alguns anos.

+ Alemanha, França e Holanda caem no mesmo grupo da Liga das Nações

+ Burnley estende contrato de treinador e acerta com atacante Aaron Lennon

O ex-zagueiro da seleção inglesa e do Manchester United e agora técnico disse em comunicado divulgado pelas Associação de Futebol da Inglaterra que os comentários em seu Twitter não refletem suas crenças e que está consciente das responsabilidades na nova função.

"Em relação aos comentários feitos há alguns anos, eu gostaria de esclarecer que eles não foram e não são um reflexo genuíno do meu caráter ou das minhas crenças e gostaria de pedir desculpas", afirmou Neville, que apagou sua conta após ser anunciado como novo técnico da seleção inglesa na terça-feira.

"Estou plenamente consciente das minhas responsabilidades como comandante do time feminino da Inglaterra e estou imensamente orgulhoso e honrado de ter ganho esse papel", completou o ex-jogador.

Em 2011, ele escreveu em seu Twitter: "Relaxe, estou de volta. Acabei de bater na esposa. Me sinto melhor agora!". Ele também publicou que as mulheres "sempre querem igualdade até ter que pagar as contas.''

Em outro comentário, em 2012, Neville disse que pensava que as mulheres estariam "ocupadas preparando o café da manhã/aprontando as crianças/arrumando a cama em vez de assistir críquete como homens fazem".

O novo comandante das seleção feminina da Inglaterra já esteve nesta semana acompanhando os treinamentos das jogadoras em La Manga, na Espanha, para ter um contato mais próximo. Seu contrato é válido até o Campeonato Europeu de 2021 e tem como principal desafio a disputa do Mundial, na França, em 2019.

Mais conteúdo sobre:
futebol machismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.