Ozair Junior/Novorizontino
Ozair Junior/Novorizontino

Novorizontino vê risco grande de rebaixamento no Paulistão após dois acessos nacionais em 2021

Equipe subiu da D para a B no ano passado, foi campeã do Troféu do Interior, mas amarga lanterna do Paulistão 2022

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2022 | 15h00

De sensação a decepção. O Novorizontino viveu um 2021 mágico, com o acesso à Série C garantido em janeiro, depois a subida para a B no fim do ano e a conquista do Troféu do Interior. Só que 2022 tem sido uma frustração ao clube de Novo Horizonte que luta para não ser rebaixado no Paulistão.

A equipe é a única que ainda não venceu no estadual, está na lanterna do Grupo B e da classificação geral, com apenas dois pontos, e vê de perto o perigo da queda para a Série A2. Acima do Novorizontino na tabela, estão Água Santa, Inter de Limeira, Ponte Preta e Santo André, todos empatados com sete pontos. 

O calendário também preocupa. O time ainda tem pela frente quatro partidas: Santos (fora de casa), Inter de Limeira (casa), Botafogo-SP (fora) e Corinthians (casa). Com os resultados ruins, a diretoria definiu no início deste mês a demissão do diretor de futebol Luis Carlos Goiano e do técnico Léo Condé, responsáveis pelas conquistas do ano passado. Goiano, inclusive, esteve à frente do clube desde a fundação, em 2010, ajudando em acessos importantes nos âmbitos estadual e nacional.

O atual treinador é Allan Aal, que fez boa campanha com o CRB na Série B 2021, mas com os resultados ruins neste início de ano deixou o clube alagoano. Aal já comandou o time no empate em 0 a 0 com o Santo André e na derrota para o Red Bull Bragantino por 3 a 0.

O Novorizontino é dono da segunda defesa mais vazada e do pior ataque do Paulistão. Segundo o treinador, a ansiedade tem atrapalhado o desempenho dos jogadores para anotar gols. "A gente precisa corrigir esse emocional para que os gols aconteçam”, analisou.

Passar maus bocados no Paulistão não tem sido a história da equipe nos últimos anos. Desde que subiu à primeira divisão estadual, em 2016, o Novorizontino se classificou quatro vezes para a fase final. O zagueiro e capitão Bruno Aguiar disse que a equipe vai seguir brigando para tirar o time da zona do rebaixamento. "A gente trabalha bastante, mas a bola não entra. Temos que ter hombridade para continuar trabalhando e lutar até o fim”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.