Nilton Fukuda|Estadão
Nilton Fukuda|Estadão

Número de sócios-torcedores da Chapecoense dispara após tragédia

Foram cerca de 13 mil novos pedidos para aderir ao programa

Daniel Batista e Gilberto Amendola, enviados especiais a Chapecó, O Estado de S. Paulo

30 de novembro de 2016 | 12h54

A tragédia com a delegação da Chapecoense fez com que o número de sócio-torcedores do clube mais do que duplicasse em pouco mais de 24 horas após a tragédia ocorrida em Medellín, na Colômbia, local onde o avião que levava a delegação para a partida contra o Atlético Nacional caiu na madrugada de terça para quarta-feira.

Até semana passada, a Chapecoense tinha pouco mais de cinco mil sócios-torcedores. Entretanto, já foram mais de 13 mil novos pedidos de torcedores querendo aderir ao programa. Os números ainda não foram atualizados no site Futebol Melhor, porque os pedidos precisam sem confirmados pelos torcedores.

"Estamos tendo problemas de navegação no site, tamanha demanda e está acontecendo tudo tão rápido, que ainda não paramos para ver melhor o que está acontecendo. Mas estamos tendo um crescimento espetacular", contou Andrei Copetti, que era diretor de marketing até o começo do ano no clube, mas saiu após divergências com patrocinadores. Após a tragédia, foi convidado por Ivan Tozzo a retornar ao cargo.

Andrei, que era muito amigo do presidente do clube, Sandro Pallaoro, acredita que o número de sócios é uma demonstração do carinho das pessoas pelo time de Santa Catarina. "Tivemos um crescimento absurdo nas redes sociais, navegação no site, Facebook, etc, e tudo isso mostra o quanto o fato chocou o mundo, mas também como somos queridos. Isso é emocionante", disse, visivelmente emocionado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.