Ricardo Arbex / Estadão
Ricardo Arbex / Estadão

Números de Alex mostram uma carreira cheia de conquistas

Craque se despede oficialmente do futebol na noite deste sábado

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

27 Março 2015 | 10h00

Alessandro de Souza, o Alex, meia canhoto de rara habilidade e artilheiro como Pelé e Zico, faz neste sábado sua despedida oficial dos gramados. Em uma noite de gala, o Allianz Parque, nova e moderna arena do Palmeiras, recebe às 21h o jogo entre os Amigos de Alex e o esquadrão Alviverde de 1999, Campeão da Copa Libertadores da América e que está guardado na memória de todo palmeirense – Alex foi peça fundamental naquele elenco, o último grande esquadrão do clube que pode ser chamado de ‘Academia’. 

O craque, que em setembro completará 38 anos, decidiu se aposentar ao final do ano passado, quando defendeu o Coritiba, clube em que foi revelado e que já revelou ser torcedor, no Campeonato Brasileiro. Agora, Alex será comentarista. Resta saber se ele conseguirá analisar alguém no futebol brasileiro que tenha a mesma cadência, consistência e faro de gol como ele teve – missão quase impossível nos dias atuais.


Números. Por ser um meia, Alex tem excelentes números, melhores que muitos atacantes com grifes. Em toda sua carreira foram 1035 jogos, 422 gols (uma média de 0.40 gol por jogo) e nada menos do que 356 assistências que diretamente resultaram em gols.

Sua estreia profissional foi no dia 2 de abril de 1995, quando defendendo as cores do Coritiba ajudou a equipe a vencer o Iraty, pelo Campeonato Paranaense. Seu primeiro gol como profissional foi marcado na vitória do Coxa contra o Matsubara, em 7 de junho do mesmo ano. 

Depois de defender vários clubes, Alex retornou ao Coritiba em 2013, onde ajudou o clube a conquistar o tetracampeonato paranaense naquele ano. No total, ele disputou 210 jogos, anotou 70 gols e deu 58 assistências. Além do título, ele foi artilheiro do Paranaense de 2013 e artilheiro do Coritiba na temporada, com 28 gols. 

Um confronto mudou a carreira do jogador. Na Copa do Brasil de 1997, o Coritiba enfrentou o Palmeiras pelas oitavas de final da competição. No jogo de volta, o Verdão venceu o Coxa por 4 a 2, mas Alex marcou um dos gols dos paranaenses e chamou a atenção do executivos do clube, que o contrataram rapidamente.

No Palmeiras, Alex conquistou quatro títulos durante suas três passagens: a Copa do Brasil (1998), a Copa Mercosul (1998), a Libertadores (1999) e o Rio-São Paulo (2000). Em suas três passagens pelo clube, disputou 241 jogos, marcou 78 gols e deu 56 assistências. Ele é o maior artilheiro do time na Libertadores com 12 gols.

Uma das grandes características que marcou a trajetória de Alex no Palmeiras foram seus golaços. Entre os que mais se destacam estão dois gols na vitória do clube sobre o River Plate na semifinal da Libertadores de 1999 no estádio Palestra Itália e seu célebre gol de placa em cima do São Paulo de Rogério Ceni no Rio-São Paulo de 2002, onde ele dá dois chapéus – um deles no goleiro – antes de marcar o antológico gol. 

Com a camisa do Flamengo, Alex jogou pouco, apenas 12 partidas e 3 gols – dois deles contra o Corinthians. Ele também se aventurou no Parma, da Itália, onde fez 5 jogos, com 2 gols. Mas Alex chamou a atenção também com a camisa do Cruzeiro. Em sua primeira passagem, no segundo semestre de 2001, foram apenas 3 gols. Mas a partir de agosto de 2002 Alex se destacou e ficou no clube até 2004.

No time mineiro, Alex disputou ao todo 121 jogos, marcou 64 gols e deu 61 assistências, ajudando o clube a conquistar quatro títulos – a tríplice Coroa de 2003 (Campeonato Mineiro, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro) e mais o bicampeonato de Minas Gerais em 2004. 

Seu talento chamou a atenção, mais uma vez, do futebol europeu. Foi no Fenerbahçe, da Turquia, que Alex mais jogou. Ele permaneceu no clube por oito temporadas, disputou 378 jogos, fez 185 gols e deu 162 assistências – ele se tornou o 8.º maior artilheiro do time, o 2.º maior artilheiro do Fener na Liga da Turca (136 gols), foi duas vezes artilheiro do Campeonato Turco (2006-2007 com 19 gols e 2010-2011 com 28 gols) e conquistou três títulos do campeonato do país: 2004-2005, 2006-2007 e 2010-2011. Ele ainda levantou os títulos da Supercopa Turca de 2007 e 2009 e da Copa da Turquia 2011-2012 – Alex é tão ídolo da torcida do Fenerbahçe que em 2012 ele ganhou uma estátua em Istambul, em frente ao estádio da equipe. 

Decepções. Alex tem números espetaculares nos clubes que defendeu e também tem ótimo desempenho defendendo a seleção brasileira. Com a Amarelinha foram 49 jogos, 12 gols, 11 assistências e dois títulos importantes – as Copas Américas de 1999 e de 2004, quando era o capitão e levantou a taça após vitória sobre a Argentina nos pênaltis. Além disso, nas categorias de base, Alex disputou 19 jogos, marcou 8 gols pelo Brasil e conquistou o título do Torneio de Toulon, em 1996, e do pré-olímpico para os Jogos de Sidnei, em 2000.

Contudo, Alex vai carregar para sempre a frustração de não ter disputado uma Copa do Mundo. Em 2002 foi preterido por Felipão até mesmo depois do corte de Emerson – Ricardinho foi chamado para o Mundial disputado na Coreia do Sul e no Japão e vencido pelo Brasil. Em 2006, em grande fase, não foi lembrado por Carlos Alberto Parreira para o torneio disputado na Alemanha. Em 2010, na África do Sul (com Dunga no comando) e em 2014, no Brasil (com Felipão à frente da seleção) o nome de Alex sequer foi ventilado para a lista final dos 23 jogadores. 

Números da carreira de Alex

Jogos: 1035

Gols: 422

Assistências: 356

Títulos: 19

Palmeiras

Jogos: 241

Gols: 78

Assistências: 56

Títulos: 4 (Copa do Brasil 1998, Copa Mercosul 1998, Copa Libertadores 1999, Torneio Rio-São Paulo 2000)

Coritiba

Jogos: 210

Gols: 70

Assistências: 58

Títulos: 1 (Campeonato Paranaense 2013)

Cruzeiro

Jogos: 121

Gols: 64

Assistências: 61

Títulos: 4 (Campeonato Mineiro 2003 e 2004, Copa do Brasil 2003 e Campeonato Brasileiro 2003) 

Fenerbahçe

Jogos: 378

Gols: 185

Assistências: 162

Títulos: 6 (Campeonato Turco 2004-2005, 2006-2007 e 2010-2011, Supercopa da Turquia 2007 e 2009, Copa da Turquia 2012)

Seleção brasileira

Jogos: 68 (19 nas categorias de base e 49 na seleção principal)

Gols: 20 (8 nas categorias de base e 12 na seleção principal)

Assistências: 11

Títulos: 4 (Torneio de Toulon 1996, Copa América 1999, Pré-Olímpico 2000, Copa América 2004)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.