Francisco Seco/AP
Francisco Seco/AP

Infantino exalta o VAR: 'Nunca mais teremos gol impedido na Copa do Mundo'

Presidente da Fifa comemora sucesso da implantação do sistema de árbitro de vídeo e promete melhorias

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2018 | 08h40

Comemorando o resultado da introdução da tecnologia de árbitro de vídeo no futebol, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, aponta que “nunca mais” o esporte verá um gol impedido. Numa coletiva de imprensa para encerrar a Copa do Mundo, em Moscou, o cartola destacou o êxito do sistema introduzido para o Mundial, conhecido como VAR (Árbitro assistente de vídeo, em inglês).  

+ Fifa suspira com êxito da Copa do Mundo dentro e fora de campo

+ Fifa manda emissoras de TV reduzirem filmagens de 'torcedoras bonitas'

+ Ex-lateral Philipp Lahm e modelo russa vão levar troféu até a final da Copa

“É algo que foi aceito. Funcionou bem”, disse o dirigente. Ele admite que, quando os teste começaram há dois anos, ele estava cético sobre como a tecnologia iria funcionar. “Se não testávamos, não saberíamos se funcionaria”, disse.

Faltando dois jogos para o final da Copa, ele indica que o VAR foi utilizado em 440 casos durante os 62 jogos. Foram 19 revisões realizadas, uma a cada três jogos e meio. 

De acordo com Infantino, 16 revisões levaram o juiz a mudar a decisão. “Isso significa que 16 casos foram mudados de errado para certo. Isso é progresso”, insistiu.  “O VAR não muda o futebol. Mas o faz mais honesto e transparente”, comemorou.

Segundo ele, o VAR elevou as decisões acertadas dos árbitros de 95% para 99,32%. “Não é 100%. Mas algo que precisa ser dito é que o futebol é um esporte de contato. Não é todo contato que é falta. E isso é interpretação do juiz”, disse. 

 

Um ponto destacado por ele, porém, foi o fim de um eventual gol marcado em uma posição de impedimento, o que não se refere a uma interpretação. “O gol impedido está terminado. Nunca mais veremos um gol impedido. Está claro. Isso acabou”, comemorou. “Os jornalistas vão ter de encontrar outra coisa para escrever”, ironizou.

Outro ponto destacado pelo presidente da Fifa foi a maior disciplina, desde o estabelecimento do VAR. “A questão da educação melhorou. Na última Copa, tivemos entre seis ou sete cartões vermelhos. Até agora, não tivemos nenhum vermelho por violência. Os jogadores sabem que, se alguém fizer algo, vão ser vistos”, completou. “A partir de agora, é difícil pensar em uma Copa sem VAR. Foi uma Copa mais justa, graças a isso”, disse. 

Sobre o futuro, a Fifa não exclui a possibilidade de permitir que os torcedores possam saber o que foi dito na comunicação entre árbitros. Mas existe um desafio: em que língua revelar a conversa. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.