EFE/ Fernando Bizerra
EFE/ Fernando Bizerra

Daniel Alves: 'Nunca quis ser maior do que o São Paulo'; leia entrevista exclusiva

Ao 'Estadão', lateral detalha saída do clube do qual diz ser torcedor, fala sobre seu retorno ao Barcelona, da seleção brasileira e o sonho de jogar a Copa do Catar aos 38 anos

Entrevista com

Daniel Alves, lateral do Barcelona

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2022 | 10h00

Polêmico, sincero, ídolo de alguns e rejeitado por outros. Daniel Alves tem várias facetas. Fala muito sobre sonhos, diz não mudar sua filosofia de acordo com o pensamento alheio e costuma usar metáforas curiosas para explicar suas ideias e decisões. A decisão que mais ressoa até hoje foi a sua saída em setembro do ano passado do São Paulo, time para o qual diz torcer. O veterano lateral, de 38 anos, afirma que divergências entre ele o clube do Morumbi foram determinantes para o distrato. Segundo o atleta, os interesses dele e dos dirigentes eram opostos. Não havia sintonia nos pensamentos. Os atrasos salariais, garante o atualmente jogador do Barcelona, não foram determinantes para o rompimento. "Nunca quis ser maior do que o São Paulo", enfatiza em entrevista ao Estadão.

"Eu estava há dois anos com esse problema de grana e nunca dei uma declaração falando sobre isso. Nunca quis ser maior do que o São Paulo. Se o problema tivesse sido esse, já tinha cortado a raiz", afirma Daniel Alves. "Mas eu estava querendo construir uma coisa e eles não estavam querendo. Se as pessoas pensam de maneiras diferentes, elas não vão para o mesmo lugar". Embora a passagem pelo Morumbi tenha sido conflituosa, não há mágoas da parte do lateral. "Essa desavença toda foi gerada por pessoas, não pelo sonho. O sonho é intocável".

"A abelha não tem tempo de ensinar para a mosca que mel é melhor que merda". O lateral explicou o contexto desse insólito ditado, talvez a frase mais marcante que aparece em "Dani Crazy Dream", série documental de seis episódios lançada pela plataforma Fifa+ que mostra a trajetória do jogador até a Copa do Mundo do Catar, caso ele chegue até lá. A analogia envolvendo a abelha e a mosca causou polêmica e foi mantida pelos diretores no documentário porque, segundo eles, "representa a história do Daniel Alves" e o que ele pensa.

"As pessoas estão achando que o São Paulo é a merda e o Barcelona é o mel? Não, muito pelo contrário. A mosca nunca vai ser uma instituição. Ela é simplesmente a mosca, uma parte pequena da vida. Se as pessoas quiserem ir para o outro lado, elas vão. O sentido da frase é que não tenho tempo a perder tentando explicar para as pessoas o caminho a seguir", explica o atleta. Ele avalia ter deixado o clube no momento certo e reconhece que, se fosse ele o dirigente, não teria o contratado porque "o time precisava ser estruturado, não endividado".  "Quando nos reunimos para discutir sobre isso, eu perguntei: 'vocês têm certeza de que querem me trazer para o São Paulo? Porque a conta não vai fechar em algum momento e nós podemos nos prejudicar'". 

Por ora, foram lançados dois capítulos do mini documentário. Outros quatro serão liberados nos próximos meses. A produção executiva é de Thiago Slovinski e do próprio Daniel Alves, que participou de todo o projeto. O diretor do Fifa+ é Ulisses Neto.

Na conversa de 40 minutos com a reportagem, Daniel Alves também comentou sobre o retorno ao Barcelona, o sonho de ser capitão da seleção brasileira no Mundial do Catar e o desejo de continuar atuando. Não está nos seus planos retornar ao futebol brasileiro porque isso seria incoerente da sua parte com o São Paulo. "Mas posso voltar como alguém que pode revolucionar o futebol brasileiro de uma outra maneira. Dono de um clube ou coisas assim", avisa, sem dar detalhes. "Quero poder transformar o futebol. Tem muita coisa para melhorar. Os pioneiros têm de existir. Eu gostaria, no futuro, de ser um pioneiro".

Você é um atleta com uma presença midiática importante. Todos sabem quem é o Daniel Alves, mas creio que poucos te conhecem. O documentário foi uma oportunidade para mostrar mais quem você é e o que pensa?

Sem dúvida. Foi uma possibilidade de poder mudar o foco do que já estamos acostumados. As pessoas vivem num achismo sobre mim e outros atletas. Nós, quando temos essa oportunidade de mostrar como somos atrás das câmeras, do que todos já estão acostumados, conseguimos sensibilizar um pouco as pessoas e contar que somos normais. Nós erramos, acertamos, sofremos e nos divertimos. É o cotidiano de um ser humano normal. A gente aproveita essa chance para contar um pouco disso. Não quero causar frustrações a ninguém, queremos criar possibilidade de as pessoas ser o que elas quiserem.

Você disse que tomou a decisão de defender o São Paulo porque queria realizar um sonho. Esse sonho virou pesadelo diante da saída conturbada do clube?

Não. Essa desavença toda foi gerada por pessoas, não pelo sonho. O sonho é intocável. É como o coração. Você imagina o que é, mas não pode tocar. O sonho não vai ser frustrado, só se o sonhador permitir. E esse sonhador aqui não vai permitir. Nós deveríamos começar a colocar ordem nos diálogos porque senão geram interpretações diferentes. Quando eu falo do São Paulo, não falo do clube. Falo das pessoas que representam o São Paulo. E isso gera uma confusão. Infelizmente, as pessoas se destacam pelo caos que elas formam e não pelos exemplos que elas são. Assim, gera um pouco de desavença. Mas meu coração sempre vai estar em paz porque tento oferecer o melhor para as pessoas. Não é prepotência saber da sua capacidade, saber que você é um vencedor. Isso é uma realidade. E eu costumo falar que as pessoas têm que ser quem são, independentemente das consequências. Quando você trabalha com sentimento, com paixão, às vezes as pessoas se cegam. Elas veem um problema e tentam eliminar uma solução. O problema custa mais trabalho, mais sacrifício. Por isso que digo que elas não vão conseguir frustrar meu sonho. Não foi só uma conquista que me fez realizar o sonho no São Paulo. Foi vestir a camisa do São Paulo, poder me realizar como sonhador e transformar a vida de outras crianças. Elas tinham virado chacota porque nunca tinham visto o São Paulo ganhar. Essa foi a maior conquista: ver as crianças circulando com a camisa do São Paulo e podendo dizer que viram o time ser campeão. Vivi muitas coisas lindas no São Paulo e é isso que levo sempre. As outras coisas que houve são parte do processo. Um sempre está com o controle na mão para decidir.

‘A abelha não tem tempo de ensinar para a mosca que mel é melhor que merda’. Essa metáfora é muito marcante no documentário e gerou controvérsia. Pode explicar o contexto dela?

O contexto da frase é simples: se você tem um objetivo, você tem de lutar por ele. Você não precisa explicar para as pessoas que tem aquele objetivo. Não é a informação, é a interpretação. Só que as pessoas transformam as coisas porque o que se vende são as polêmicas. Ninguém nunca tinha me perguntado qual era o contexto disso. As pessoas estão achando que o São Paulo é a merda e o Barcelona é o mel? Não, muito pelo contrário. A mosca nunca vai ser uma instituição. Ela é simplesmente a mosca, uma parte pequena da vida. Se as pessoas quiserem ir para o outro lado, elas vão. O sentido da frase é que não tenho tempo a perder tentando explicar para as pessoas o caminho a seguir. Se você pensar que você não vai seguir o maior vencedor da história do futebol, quem você vai seguir? Eu quero seguir os campeões, as pessoas que, de alguma forma, transformaram a vida das outras. Quero seguir quem faz história, não os contadores de história. Se você não vai seguir essas pessoas, você é mosca, então não tenho tempo para ensinar que o mel é melhor que a merda. E se as pessoas quiserem falar do Barcelona e do São Paulo, elas fazem. Mas o caminho é diferente. Não falo nunca da instituição. Tenho o maior respeito pela instituição. Deixei o meu sangue pelo São Paulo. As pessoas que estão lá no São Paulo não podem falar nada de mim, tanto que elas só falam que ninguém é maior do que o São Paulo. Eu nunca quis ser maior do que o São Paulo. Como vou ser maior do que meu sonho? Não confundam as coisas. Não vivo essas polêmicas. Conheci gente maravilhosa no São Paulo, que quer o bem do São Paulo, mas não são todas que querem o bem. Não tenho tempo para explicar que um caminho é melhor que o outro. Eu defendo sempre minha filosofia. Ela não varia em função do que vão pensar, senão deixa de ser minha filosofia. Se me adapto ao que as pessoas pensam sobre o que eu falo, eu deixaria de ser eu mesmo. Eu defendo a minha verdade e ela é só uma. As pessoas interpretam o que quiserem. 

Você afirmou que chegou em seu limite no São Paulo. O que contribuiu para desgastar essa relação, para além das questões financeiras? 

A parte financeira não foi um problema. Eu estava há dois anos com esse problema de grana e nunca dei uma declaração falando sobre isso. Nunca quis ser maior do que o São Paulo. Se o problema tivesse sido esse, já tinha cortado pelo raiz. Mas eu estava querendo construir uma coisa e eles não estavam querendo. Se as pessoas pensam de maneiras diferentes, elas não vão para o mesmo lugar. Claramente não estávamos na mesma sintonia. Meu objetivo era tirar o São Paulo da fila. Era o objetivo máster. Mas depois fui começando a perceber que esse não era o objetivo de todos. Nem todos queriam a mesma coisa. Houve uma divergência grande. Nós éramos líderes do Brasileirão, com uma vantagem boa, e não sei por que venderam quem faziam nossos gols e quem estava resolvendo. Nunca fui questionado sobre isso. Aí você via que os interesses não eram os mesmos. Já havia uma instabilidade dentro do clube e no momento em que as coisas estão funcionando, há pessoas que fragilizam o clube. É muito fácil mandar o Fernando Diniz embora, focar no Dani, que não presta, criticar o Volpi. Criar vilões é muito fácil.

Em que momento a sua relação com o São Paulo se tornou insustentável e você decidiu não mais jogar pelo clube?

Quando tomei a decisão de ir para a Olimpíada, eu tomei essa decisão representando o São Paulo. Fui campeão no sábado, peguei um voo de 24 horas, treinei na segunda para jogar na terça pelo São Paulo. Quem não respeita a instituição não faz isso. Foram criadas muitas polêmicas sobre mim. Eu só queria tirar o São Paulo da fila. Lutei muito tempo por isso. Quando estávamos para conseguir isso, começamos a nos enfraquecer. Os interesses não estavam sendo os mesmos. Aí houve mudanças e conseguimos ganhar (o Paulistão de 2021). Mas os interesses não eram os mesmos.

E não foi problema de dinheiro. Se eu tivesse precisando de dinheiro, não teria voltado para o Brasil para jogar no São Paulo. Tanto que quando nos reunimos para discutir sobre isso, eu perguntei: 'vocês têm certeza de que querem me trazer para o São Paulo? Porque a conta não vai fechar em algum momento e nós podemos nos prejudicar'. 

Eu tinha objetivos e sonhos e jogar no São Paulo era um deles. Não queria vir a qualquer custo. Construí uma carreira, um respeito. Trouxe comigo um monte de coisas. Eles (dirigentes) tinham de saber se tinham a capacidade de me ter ou não. Se eu fosse da diretoria do São Paulo, não teria me contratado nunca porque o time precisava ser estruturado. E para estruturar o time não era necessário endividá-lo. Eu fui por um sonho. Não saí da forma que queriam, mas saí realizado porque consegui realizar esse sonho. Sou grato a todas as pessoas que me levaram ao clube. Sou grato à instituição por abrir as portas para realizar meu sonho. Tentei ser o melhor que pude para fazer o São Paulo ser diferente, mas não consegui porque não fui seguido. O mínimo que fui seguido não foi suficiente para transformar uma instituição tão grande como o São Paulo. Antes de haver mais danos, preferi dar um basta. Fiz o que era melhor para o São Paulo e para mim naquele momento. As coisas só funcionam se todos estamos na mesma sintonia e direção. A partir do momento em que mudamos a direção, não contem comigo. Nosso País, infelizmente, é feito de heróis e vilões. Eu não creio nisso. O mundo é tão grande que cabem todos. Quero mudar as pessoas, as formas como elas conduzem suas vidas, não o Brasil. O Brasil é o melhor do mundo. Não há outro como o Brasil.

Como foi a negociação para voltar ao Barcelona? O que você conversou com o Xavi?

Foi uma surpresa receber a chamada do Xavi e poder voltar. Eu estava em outro foco. Na época, estava sendo embaixador da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e tentando trazer soluções. Do nada, recebi a ligação dele dizendo que queria contar comigo, que precisaria da minha experiência. Ele tinha me acompanhado na Olimpíada e no São Paulo e viu que minha performance era boa e eu estava bem fisicamente. É a história se repetindo em um outro momento. Peguei o voo de Portugal direto para Barcelona para comunicar que mais um capítulo seria escrito. Nem pensei muito para responder. Foi um 'sim' e vamos embora.

Na casa do Cafu, capitão do penta, você olha com carinho para a taça da Copa do Mundo. Você se imagina levantando o troféu do hexa com a seleção brasileira?

Sem dúvida. Temos de criar esse relacionamento com os nossos sonhos. O Cafu me inspira a não desistir e a lutar pelo que acredito. Isso é a maior injeção de adrenalina que alguém pode receber. É uma referência para não desistir e conquistar. Nós temos de nos alegrar pelas vitórias dos outros. Se não nos alegrarmos, seremos sempre escravos do que nós fomentamos. Se nos alegrarmos, vitórias virão para a nossa vida. Me relacionar com pessoas que te animam, como o Cafu, é prazeroso. Foi um dos momentos mais incríveis da minha vida poder encontrá-lo. É um ídolo de criança. Respeito muito a sua trajetória e a forma como conduziu sua vida. É disso que precisamos. De boas referências, de pessoas que conquistam.

Como está o Daniel Alves hoje, psicologicamente, fisicamente e tecnicamente, a seis meses da Copa do Mundo?

Estou muito bem, trabalhando em todos os aspectos para melhorar e encontrar meu melhor nível. Sei que a exigência é muito grande numa Copa do Mundo. Já vivi isso. A construção para você estar numa Copa não é só na convocação, é diária, passa pelo que você faz no seu clube, pela sua trajetória dentro da seleção, a quantidade de jogos e a entrega que você tem. Tudo isso acaba criando uma conjunção que abre caminhos e te dá possibilidades. Tenho de estar sempre aberto a melhorar como profissional e pessoa.

Você fala no documentário que o desejo, o sangue na veia e o brilho no olho seguem intactos. Até quando crê que terá essa vontade de jogar?

Eu estava brincando recentemente que quando igualar os anos com as quantidades de conquistas será o momento de parar. Agora ainda está desnivelado. As conquistas estão por cima. Quando isso se equilibrar, aí será o momento de parar. Mais umas (taças) vão vir ainda. Vou tentar igualar ao Buffon. Ele renovou até os 46 anos. A Olimpíada de Paris está aí. Deixo a vida me levar.

Voltar ao futebol brasileiro antes de se aposentar está nos seus planos?

Eu fui para o São Paulo para realizar um sonho. Não teria sentido voltar ao Brasil para jogar em outro clube. As minhas palavras seriam quebradas a partir do momento em que aceitasse jogar em outro time. Temos de ser coerentes. Realizei meu sonho. Vi que é muito grande tudo que eu gostaria de fazer. Mas posso voltar como alguém que pode revolucionar o futebol brasileiro de uma outra maneira, dono de um clube ou coisas assim. Quero poder transformar o futebol. Tem muita coisa para melhorar. Os pioneiros têm que existir. Eu gostaria, no futuro, de ser um pioneiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.