Bruno Cantini/Atlético-MG
Bruno Cantini/Atlético-MG

'O Atlético-MG é uma convocação, não é um convite', diz Micale

Ouro com a seleção nos Jogos do Rio chega para assumir lugar de Roger Machado

Estadão Conteúdo

24 de julho de 2017 | 19h50

Contratado para o lugar de Roger Machado, demitido na semana passada, Rogério Micale iniciou nesta segunda-feira o seu trabalho como técnico do Atlético Mineiro. Comandante da seleção brasileira campeã olímpica nos Jogos do Rio-2016, o treinador resumiu em uma frase o sentimento de voltar ao clube alvinegro, onde trabalhou nas categorias de base, tendo assumido o comando da categoria sub-20 em 2009: "O Atlético Mineiro é uma convocação, não é um convite".

Foi desta forma que Rogério Micale se referiu à proposta feita pelo presidente do clube, Daniel Nepomuceno. "O Micale não precisa de apresentação, todos o conhecem aqui no clube. Ele estava na China e, quando ligamos, ficou um pouco assustado, teve que sair correndo, pegar o voo no dia seguinte e passar 36 horas voando para chegar em Belo Horizonte. Não posso deixar de colocar os principais motivos da contratação do Micale. Além do que ele provou aqui e da liderança que teve na maior conquista da seleção olímpica do Brasil, pelo caráter e pela tranquilidade em lidar com a exigência que existe em um clube do tamanho do Atlético", declarou.

Em suas primeiras palavras, Rogério Micale afirmou que o sentimento é de estar voltando para casa. "É um prazer enorme voltar para minha casa. Quando cheguei, falei para os funcionários como é bom a gente chegar em um lugar e já conhecer as pessoas, a gente se sente muito à vontade e tranquilo. Sei da enorme pressão que é porque vivi aqui quase por sete anos e sei o peso de vestir essa camisa, é um time muito grande e minha expectativa é a melhor possível", disse.

Antes de sua apresentação, Rogério Micale já trabalhou com os jogadores no campo e iniciou a preparação para o duelo contra o Botafogo, nesta quarta-feira, no Rio, pela rodada de volta das quartas de final da Copa do Brasil. O treinador espera que o time consiga se recuperar dos resultados negativos recentes e obtenha a classificação.

"Claro que alguns resultados que aconteceram não foram bons, principalmente dentro de casa, onde o Atlético sempre foi muito forte, mas precisamos muito da nossa torcida porque foi sempre ela que empurrou essa equipe nos momentos difíceis e fez várias situações serem revertidas em favor do time. A gente pretende implantar aquilo que acreditamos em termos de futebol, tendo cuidado com as características dos nossos jogadores. Então, vamos tentar fazer uma equipe mais competitiva", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.