Washington Alves / Estadão
Washington Alves / Estadão

'O Atlético-MG só perde o título do Brasileirão se rebolar', afirma Dadá Maravilha

Campeão nacional com o time mineiro em 1971, o ex-atacante comparou Cuca a Telê Santana, elogiou a liderança de Hulk e vê chance de três taças

Entrevista com

Dadá Maravilha, ex-jogador, campeão do mundo em 1970

Toni Assis, especial para O Estadão

22 de setembro de 2021 | 15h00

A língua continua afiada como nos tempos de jogador. As frases feitas saem com a mesma naturalidade com que Dario, o Dadá Maravilha, pontuou a sua carreira em mais de 20 anos de futebol. Tricampeão do mundo em 1970, no México, e campeão Brasileiro com o Internacional, em 1976, ele também está na história do Atlético-MG. Foi dele o gol do título do nacional de 1971, no triunfo por 1 a 0 sobre o Botafogo.

Em entrevista exclusiva ao Estadão, o folclórico ex-atacante falou da fase iluminada do alvinegro de Minas Gerais, disse que o time joga pelo treinador e fez uma projeção ainda mais audaciosa: "O Galo tem time para ganhar também a Libertadores e a Copa do Brasil." O Atlético-MG lidera o Brasileirão e está na semifinal dos outros dois torneios. Na terça-feira, no Allianz Parque, empatou com o Palmeiras por 0 a 0 no jogo de ida pela semifinal da Libertadores. A partida de volta é na próxima terça-feira, no Mineirão.

Principal jogador da equipe, Hulk também foi pauta da conversa com Dario por telefone. Para o ex-atacante, ele é diferenciado e também um atleta de grupo. Na comparação entre ambos, porém, Dadá destacou uma diferença: "O Hulk está mais para craque do que goleador, ao contrário de mim. Mas nesse Brasileiro, para ele se igualar ao Dadá de 1971, ele vai ter de ser campeão, artilheiro e fazer o gol do título. Convenhamos que não é fácil."

Os matemáticos estão colocando o Atlético-MG com 80% de chance de ser campeão. Como você vê essa vantagem do time mineiro?

O Atlético-MG está no caminho certo. O Cuca está fazendo o time jogar bonito. Você tem um elenco em que os jogadores são solidários. Eles jogam pelos companheiros. Aliás, o que a gente percebe é que o time joga pelo treinador e isso é muito importante em um esporte coletivo. Um atleta depende do outro.

Uma vantagem de sete para o segundo colocado dá para ser administrada até o final?

Tenho mais de 50 anos de futebol e ganhei muitos títulos importantes na maioria dos clubes que passei. O respeito entre os companheiros e o bom ambiente no grupo facilita muita coisa. Eu vejo o Atlético com uma educação desportiva muito grande

O que seria essa educação desportiva?

É o companheirismo e o comportamento dentro de campo. No Flamengo, por exemplo, os jogadores discutem o tempo todo. Um xinga o outro. Chuta a bola para longe por qualquer coisa. Você percebe que tem uma turbulência. Isso tira a concentração do jogador. O adversário percebe, dá uma provocada, e a equipe pode perder o foco. O Atlético-MG é um grupo unido, onde todo mundo sabe bem o que faz e porque está cumprindo determinada função.

E como você vê o Palmeiras nesse sentido?

O Palmeiras tem uma grande equipe, mas andou tropeçando demais e isso tira um pouco a confiança. Mas é um baita time e tem que ter respeito. O Cuca é atento a esses detalhes, como o Telê também era. Isso de 80% de chances, de favoritismo, fica para a torcida. Na minha época de Galo, o Telê dizia que se ouvisse de algum jogador que o nosso time já era campeão, ele até tirava o cara do time. O Cuca é assim também. E pensando dessa maneira, o Atlético-MG só perde o Brasileiro se rebolar.

O Hulk é o principal jogador do Atlético-MG e o artilheiro do time. Dá para compará-lo com o Dadá de 71?

O Hulk é diferenciado. Tá mais para craque do que para goleador. Já o Dadá era um goleador nato. Costumo dizer que tem duas coisas na vida que não aprendi a fazer: jogar futebol e perder gols. Sempre fui muito ruim, mas treinava demais. Cem chutes de direita e de esquerda e mais cem cabeçadas. Na hora do jogo, não tinha como perder gols. São 926 bolas na rede que eu enderecei ao gol adversário durante a minha carreira. Não é pouca coisa.

O Hulk tem tudo para se igualar ao Dadá Maravilha na galeria de ídolos do Atlético-MG?

Não só o Hulk, mas outros jogadores também. Temos um goleiro muito bom (Everson). O Arana tá arrebentando na lateral esquerda. Tem o Diego Costa. É muita gente boa. E o Hulk é a estrela da companhia. Atencioso com os torcedores. Foi uma baita contratação e torço muito por ele. Agora, para se igualar ao Dadá é complicado. Ele tem que ser campeão como eu fui em 1971, terminar o campeonato como artilheiro, como eu também encerrei o torneio e ainda fazer o gol do título. É coisa para caramba.

Você fala com muito carinho da campanha do Brasileiro que o Atlético-MG ganhou há 50 anos. Lembra da escalação?

Isso é mole para o Dadá. Renato no gol, Humberto Monteiro, Grapete, Vantuir e Oldair. No meio-campo, Vanderlei e Humberto Ramos. Na frente, Ronaldo, o primo do Tostão, Lola, eu e Tiãozinho, ou o Romeu. O Dadá era ruim de bola, mas facilitava muito a vida dos companheiros. Eu fazia cem metros em dez segundos. Tinha uma impulsão maravilhosa. Saltava 80 centímetros do chão. Então, ou era lançar, ou jogar na área.

E as grandes forças para ganhar os títulos neste segundo semestre são mesmo Atlético-MG, Palmeiras e Flamengo?

Difícil algum outro time aparecer por fora e barras essas três equipes. Mas pelo que vejo, o Atlético-MG tem elenco para ganhar não só o Brasileiro, mas também a Copa do Brasil e a Libertadores. O elenco é muito bom, a estrutura do clube oferece todas as condições e o time está embalado. Vem se dando bem contra o Flamengo nos últimos jogos, venceu o Palmeiras com autoridade no primeiro turno. É entrar em campo  e jogar futebol. O favoritismo fica com o torcedor, com os matemáticos, com a imprensa.

Se você jogasse futebol atualmente, acha que teria a mesma fama de artilheiro construída ao longo da carreira?

Eu sempre fui uma máquina de fazer gols. Isso porque eu não era craque, pelo contrário. Mas sempre fiz o que o torcedor gosta, que é gol. Se naquela época, que tinha grandes jogadores de defesa, era difícil parar o Dadá, imagina agora. Consegui conquistar títulos importantes por onde passei e fazendo gols em jogos decisivos. Mas sempre dividia as glórias por tudo que conquistei com os companheiros. Se eles não lançassem, não cruzassem na área, não existiria o Dadá. Mas graças a Deus eu construí uma história muito bonita no futebol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.