John Vizcaine/Reuters
John Vizcaine/Reuters

'O Borja se interessa muito pelo projeto do Palmeiras', diz agente do jogador

Clube paulista encaminha acordo para trazer atacante por cerca de R$ 40 milhões

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

06 Fevereiro 2017 | 17h59

O Palmeiras voltou a procurar o Atlético Nacional, da Colômbia, para tentar a contratação do atacante Miguel Borja e mesmo com uma proposta inferior a algumas concorrentes, pode levar a melhor. Segundo o empresário do jogador, Ignacio Martán, o interesse em disputar a Copa Libertadores pela equipe paulista é o fator que mais chama a atenção do atleta. A tendência é a negociação ter o desfecho nesta semana.

O agente de Borja contou que o Palmeiras quer pagar cerca de R$ 40 milhões pelo atacante, contra aproximadamente R$ 77 milhões de uma sondagem da China. "Borja gosta muito do projeto do Palmeiras. Ele vai decidir pela sua felicidade em jogar, pela paixão pelo futebol, e não por dinheiro", contou o empresário. "Tomara que nesta semana tudo se decida", disse.

O colombiano se destacou na Copa Libertadores do ano passado, ao marcar cinco gols em quatro jogos, todos nas fases decisivas da competição. Aos 24 anos, Borja tem sido convocado para a seleção do seu país e tem interesse em vir ao Brasil para jogar ao lado do ex-companheiro de Nacional, o meia venezuelano Alejandro Guerra.

O agente de Borja, que também preside o Cortuluá, clube onde o atacante atuou, afirmou que a negociação está no momento sob cuidados das diretorias dos dois clubes. O diretor de futebol do Palmeiras, Alexandre Mattos, conversa diretamente com o presidente do Nacional, Juan Carlos de La Cuesta, para tentar trazer o reforço.

REGISTRADO

O meia Guerra, do Palmeiras, teve o nome publicado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF nesta segunda-feira. O jogador dependia desse registro para poder estrear pelo no clube. O venezuelano foi apresentado oficial pela diretoria na última quinta-feira.

 

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Atlético Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.