Arquivo/Estadão
Arquivo/Estadão

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2017 | 07h00

Cena semelhante à da final da Copa do Mundo de 1970, na qual Clodoaldo dribla quatro adversários italianos, está cada vez mais rara nos campos de futebol do Brasil. Segundo levantamento da empresa Footstats, os 20 times da Série A do Campeonato Brasileiro tentam 3,8 dribles, em média, por jogo, sendo que apenas 2,6 com êxito (70% de acerto). O jogador que mais dá drible é o atacante santista Bruno Henrique, que teve sucesso em 30 oportunidades durante a competição. Se o garoto Mané Garrinha fizesse teste em alguma escolinha hoje, ele seria chamado de fominha e de desrespeitoso.

+ Juan Mata marca o maior gol de sua carreira em projeto social

+ Edu Gaspar: 'A seleção precisava de um choque de gestão'

É necessário explicar que o conceito do drible, neste levantamento, não é apenas “pedalar”, “passar o pé em cima da bola”, “ganhar na corrida” ou “puxar a bola para dentro e bater no gol”. É preciso ganhar espaço e levar perigo para o rival.

O estudo mostra que o fundamento mais interessante do futebol, que derruba marcação e torce esquemas táticos, além de levantar a torcida, se tornou cada vez mais raro no futebol nacional. Em 2016, os números também eram baixos, mas melhores que os atuais. Os jogadores tentavam 4,2 dribles por jogo e acertavam 3,1 (72,2%).

“O estilo como os times atuam tira a vontade de a gente ver futebol. A média de dribles que os times têm, eu fazia em um ataque”, diz Edu, ex-ponta-esquerda do Santos, que jogou por anos ao lado de Pelé. Edu é apontado como um dos maiores dribladores de todos os tempos. “Acho que o problema vem da base. Os técnicos se preocupam com a parte física e se esquecem da técnica. Todos pedem para o garoto tocar logo a bola. Isso acaba com a criatividade.” Os poucos que driblam são taxados de abusados e logo marcados pelos zagueiros.

Zé Sérgio, ponta esquerda do São Paulo nos anos 70 e 80, concorda com Edu. “Futebol está muito estratégico. Joga-se em função do rival. Quando eu jogava, se não tentava o drible e tocava de lado, era logo vaiado. O torcedor esperava pelo inesperado”, diz o ex-jogador, que formou com Paulo Cesar, Renato “Pé Murcho” e Serginho Chulapa o ataque são-paulino bicampeão paulista de 1980 e 81. “E agora os caras jogam com chuteira boa, bola boa, gramado bom. Se eu jogasse hoje, ninguém ia me segurar”, brinca.

Zé Sérgio comandou por nove anos a base do São Paulo. Foi responsável pelo surgimento de Oscar, Lucas, Casemiro e Breno. “O torcedor hoje festeja quando o beque chuta a bola para lateral. Talvez goste do futebol que se joga. Eu não gosto.”

Roberto Rivellino, que aperfeiçoou o “drible elástico”, no qual parecia perder o controle da bola, mas conseguia retomar a jogada, destruindo a marcação, aponta para a falta de meias, de verdadeiros camisas 10, como mais um problema para a ausência dos dribles. “A seleção não tem um meia clássico. Um cara que pensa o jogo”, critica o “Patada Atômica, da Copa de 70. “O Brasileirão está em suas rodadas finais e não temos como escolher o craque do ano. Nem sei se tivemos revelação.”

Para o maior jogador da história de Corinthians e Fluminense, o momento do futebol brasileiro explica a falta de protagonistas na Europa. “Nem o Neymar era protagonista no Barcelona. Precisou ir para o PSG.”

Rivellino também culpa a imprensa. “Se o cara dá um chapéu ou um toque por debaixo das pernas, o lance é repetido dezenas de vezes e logo se pergunta se foi para humilhar o rival. Tem hora que o drible é necessário para se prosseguir na jogada.” Ainda segundo o Reizinho do Parque, apelido que ganhou pelos dez anos em que jogou pelo Corinthians, o momento “mecanizado” do futebol nacional pode ser exemplificado pelo que acontece com dois times paulistas. “O São Paulo estava brigando até agora para não cair e possui três jogadores diferentes: Cuevas, Pratto e Hernanes. Já o Corinthians, que liderou toda a disputa e deve ficar com o título, não possui um grande jogador no elenco”, comparou.

Emerson Leão, goleiro da seleção em quatro Copas e técnico do Santos campeão brasileiro de 2002, que revelou Robinho e Diego, opina que o “futebol atual é outro futebol”. “Acabaram com a liberdade do atleta de errar durante uma partida. Eu sempre cobrei criação dos meus jogadores na proximidade ou dentro da área. O futebol está chato de assistir. Íamos ao estádio para ver um espetáculo e hoje vemos um jogo monótono”, disse um dos maiores goleiros da história do Palmeiras. “O futebol usa muito computador, mas o computador não dribla, não faz gol. Por isso, apoio o Renato Gaúcho. Tem muito entendido no futebol. Cara que faz curso para tirar foto.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

Bruno Henrique é o mais 'abusado' atualmente no futebol brasileiro

Atacante do Santos lidera o ranking de dribles do Campeonato Brasileiro

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2017 | 07h00

No futebol “burocrático” e dos passes para o lado, as atuações de Bruno Henrique, do Santos, chamam a atenção de quem gosta de ver habilidade e ousadia nos gramados. Aos 26 anos, o atacante lidera o ranking de dribles do Brasileirão. Ele repete o que já fez no torneio de 2015, quando atuava pelo Goiás.

+ Exame aponta lesão e David Braz deve desfalcar o Santos na segunda-feira

Bruno Henrique está longe da ginga de dribladores do passado no Brasil, mas atualmente ele é o mais abusado em campo.

“Vi um jogo do Santos e logo quis saber quem era esse garoto alto, forte e de grande domínio de bola. Se ele não perder a iniciativa do drible, com certeza vai merecer uma chance na seleção brasileira em breve. As atuações dele se destacam”, disse o técnico Emerson Leão, que trabalha hoje como comentarista no canal Esporte Interativo.

“Toda vez que o Bruno Henrique vai para cima da marcação, ele passa. O time precisa se preparar para ter um jogador com essas características. Os companheiros precisam se apresentar para ajudá-lo”, ensina Edu, ponta do próprio Santos na época de Pelé. “Ele tem velocidade e variação de dribles. Foi uma das poucas atrações durante o jogo entre Santos e Atlético-MG.”

Além dos dribles, criatividade e presença no ataque, Bruno Henrique ainda faz gols. O jogador, que soma 16 gols na temporada, desembarcou na Vila em janeiro, vindo do Wolfsburg, da Alemanha, por 4,5 milhões de euros (R$ 17,2 milhões).

Antes de atuar pelo Goiás, Bruno Henrique, mineiro de Belo Horizonte, jogou pelo Cruzeiro, Uberlândia e Itumbiara. “Eu sempre achei que meu estilo de jogo se encaixaria no Santos. Aqui sempre teve atacantes habilidosos. Por isso, me sinto bem desde a primeira partida. Parece que estou no clube há muito tempo. Neste bom ambiente é possível ser notado.”

Além dos dribles e dos gols, o jogador santista também sabe servir os companheiros. É de Bruno Henrique a maior quantidade de assistências (passes que resultam em gols) do Campeonato Brasileiro. São 11 até a 33.ª rodada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.