José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

‘O esporte é espaço a ser conquistado pela mulher’, diz socióloga

Carla Cristina Garcia diz que as críticas sobre a atuação da auxiliar de arbitragem Fernanda Colombo reafirmam o machismo no futebol

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2014 | 17h00

A socióloga Carla Cristina Garcia, especialista nas questões de gênero, afirma que as críticas sobre a atuação de Fernanda Colombo e o período de reciclagem reafirmam o machismo no futebol. "Se um árbitro bonito tivesse cometido aqueles erros, os diretores do clube prejudicado não sugeririam que ele posasse para a G Magazine", diz a especialista, citando uma revista de nus masculinos. Para a professora, a solução é a educação.

Por que a mulher não ocupa no futebol o mesmo espaço que conquistou em outros setores?

O futebol, assim como o esporte em geral, é muito machista. Ainda vivemos com aquela ideia dos séculos XIX e XX da fragilidade do corpo feminino. É preciso lembrar que foi uma conquista o direito de praticar educação física. Além disso, a mulher era proibida de praticar lutas, como judô, até 1960! O esporte, principalmente, o futebol, ainda é um espaço a ser conquistado pela mulher.

Acontece a mesma coisa na arbitragem?

Na arbitragem, prevalece a ideia de que a mulher não entende de futebol. Tenho dúvidas se um homem que cometesse os mesmos erros da assistente (Fernanda Colombo) teria esse processo tão rigoroso de reciclagem.


O que a mulher tem de fazer?

A melhor saída é a educação e a continuidade da luta pelos direitos de igualdade de gênero. E a educação começa na infância. As aulas de educação física do ensino fundamental e do ensino médio fazem distinção entre meninos e meninas. Esse é o começo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.