Vítor Silva/Botafogo
Vítor Silva/Botafogo

'O importante é vencer e adquirir mais confiança', diz Zé Ricardo no Botafogo

Técnico alvinegro considerou resultado essencial para a continuidade do trabalho após pressão da torcida e da imprensa

Estadão Conteúdo

16 de setembro de 2018 | 17h04

Apesar da vitória apertada do Botafogo sobre o América-MG, por 1 a 0, neste domingo cedo, no Engenhão, pela 25.ª rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico Zé Ricardo viu razões para elogiar seu time. Com 29 pontos, deixou o campo em 13º lugar antes da disputa das outras partidas da rodada deste domingo, sem chance de terminar a rodada na zona de rebaixamento.

"Temos uma missão aqui no clube que é sair desta situação incômoda na tabela e evitar o rebaixamento. O importante é vencer, pontuar e adquirir mais confiança, até buscar uma sequência positiva e mais consistente", ressaltou o técnico. Ele também viu qualidades no seu time. "Mostramos um poder de organização muito grande. Fizemos um bom primeiro tempo, quando criamos várias oportunidades, e o segundo tempo foi mais emocional porque teríamos que segurar a pressão do América-MG e tentar ampliar a vantagem", reforçou.

No cômputo geral, considerou o resultado essencial para a continuidade do trabalho, lembrando a semana pesada pelas cobranças da torcida e da imprensa. "Queremos as cobranças e também o apoio da torcida, que foi maravilhosa neste jogo, nos incentivando o tempo todo. Juntos, jogadores, comissão e diretoria, nós podemos tirar o clube desta situação", ponderou.

Sobre a pressão em cima dos jogadores, principalmente nos atacantes pelo jejum de gols, ele acha que é uma questão de tempo para tudo passar. Citou o caso de Kieza, que não balança as redes há três meses e teve duas chances para marcar neste domingo. "Ele foi artilheiro por todos os clubes onde passou. Uma hora a bola dele começar entrar. É assim no futebol...".

Zé Ricardo lembrou ainda que tem outras alternativas no ataque, como Aguirre e o Brenner, mas garantiu confiar demais em Kieza. "É a gangorra do futebol. Uma hora o jogador está lá em cima e outra lá em baixo. É um momento delicado e fica complicado a gente analisar, mas temos que manter o trabalho", explicou.

Se o clima era de alívio geral pela vitória reabilitadora, todos pareciam conscientes de que a semana vai ser pesada, com dois jogos em Salvador. Quinta-feira, diante do Bahia, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana, e depois, no domingo, o duelo contra o Vitória, no Barradão, pelo Brasileiro. "Pelo menos não vai ter translado, porque vamos ficar direto em Salvador. É um desgaste a menos com viagem. Vamos avaliar bem o grupo e ver quem tem boas condições para entrar em campo nestes dois jogos. Mas estou otimista de que poderemos conseguir bons resultados", concluiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.