O importante para Portugal é classificar, diz Queiroz

Os 11 titulares que a seleção portuguesa vai colocar em campo nesta sexta-feira contra o Brasil já foram definidos pelo técnico Carlos Queiroz. Mesmo não dizendo diretamente quem joga e qual a estratégia do time, é certo que Cristiano Ronaldo estará em campo como sua grande arma. Mas, independentemente de quem entre em campo no jogo que valerá a liderança do Grupo G do Mundial, o treinador deixou claro que ficará satisfeito se ao menos empatar com os brasileiros, resultado que já assegura a classificação de Portugal como segundo colocado da chave.

MILTON PAZZI JR., Agência Estado

24 de junho de 2010 | 13h58

"Temos de jogar a classificação para começo de conversa. É natural que eu faça algumas adaptações, pois o Brasil não é a Coreia do Norte. O fato de termos de fazer gols significa que temos de atacar bem, e também defender bem. Quando perdermos a bola temos que recuperá-la rápido, sabemos que não podemos dar espaços, o contra-ataque é muito perigoso", afirmou o treinador.

Queiroz conta que só não tem à disposição para esta partida Deco e Rubem Amorim, lesionados. Com isso, mesmo com a ameaça de suspensão de Cristiano Ronaldo em um jogo das oitavas de final (ele já tem um cartão amarelo e será suspenso se tomar mais um contra os brasileiros), o treinador deve colocar em campo o que tem de melhor.

O técnico de Portugal também disse que não dará recomendações a Cristiano Ronaldo para que o jogador evite o segundo cartão amarelo. "O Cristiano não tem recomendação nenhuma, tem de jogar como qualquer jogo. As arbitragens precisam ser mais eficientes. Se houver um lapso (erro), que (o juiz) tenha condições de reparar esse lapso", pediu.

Outro pedido que Queiroz faz é que não se compare o momento atual do time com o da derrota por 6 a 2 para os brasileiros há dois anos, em amistoso disputado no Distrito Federal. "Nessa altura não temos que nos preocupar com o passado. O jogo foi disputado em condições diferentes, já fizemos 25 jogos desde então, a situação é diferente. Agora temos maior conhecimento do jogador, do time, vai ser diferente, é um jogo do campeonato do mundo", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.