Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Tite se surpreende com 3 a 0 e diz ter inspirado Brasil com gol do capitão do tri

Técnico emplaca cinco vitórias consecutivas sob o comando da seleção

Marcio Dolzan, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2016 | 01h08

Demonstrando alívio e serenidade, o técnico Tite disse após a vitória por 3 a 0 sobre a Argentina pelas Eliminatórias na noite dessa quinta-feira que não esperava um placar tão elástico. Na avaliação do técnico, os 3 a 0 só saíram porque o time argentino precisou se abrir após ir para o intervalo perdendo por dois gols de diferença. Tite revelou ainda que, na preleção antes da partida, mostrou o gol de Carlos Alberto Torres na final da Copa de 1970 para inspirar os jogadores do Brasil a terem senso de equipe.

“O placar eu não imaginava. Eu não imaginava um placar elástico. Eu imaginava um grau de dificuldade maior, tal qual estava se apresentando. A circunstância do jogo ajudou”, afirmou Tite.

“A Argentina que teve que se expor mais, avançar suas linhas. Ao avançar suas linhas o campo encomprida, e o espaço acaba acontecendo”, disse o técnico. “Alguns ajustes acabaram acontecendo pelo lado direito. O abastecimento pra Messi era de Otamendi, Zabaleta e Mascherano. A gente tinha que cortar o passe aí, e pegamos Neymar e Jesus só por esse lado.”

O treinador disse ainda que não esperava arrancar com cinco vitórias nas cinco primeiras partidas sob seu comando – o Brasil já marcou 15 gols no período, tendo sofrido apenas um. “Foi acima do que eu imaginava. Os méritos se dão aos atletas”, declarou Tite.

Sobre isso, o técnico revelou que, antes da partida, apresentou aos jogadores o gol de Carlos Alberto Torres na final da Copa de 1970. O gol é considerado um dos mais bonitos da história pela forma com que foi construído.

“Eu terminei a palestra com o gol do Carlos Alberto em 70. E eu deixei a imagem e disse que essa imagem nos ensina muito. Eu fiz algumas observações: o Tostão veio ajudar a marcação de um lado, o Everaldo até embaixo. Na sequência, quase todos os jogadores do Brasil tocaram na bola. Na sequencia abriu uma bola de um contra a um do Jairzinho. Quando a bola tocou, o lateral que estava aberto apareceu como sustentação de um jogador de frente. Aí eu concluí que isso nos mostra como é importante o senso de equipe”, contou Tite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.