Paulo Fonseca| EFE
Paulo Fonseca| EFE

'O respeito ao São Paulo voltou', diz capitão após classificação

'Estamos calando a boca de muita gente com este resultado,' afirmou o volante Hudson

Ciro Campos, Estadão Conteúdo

19 de maio de 2016 | 10h30

A classificação à semifinal da Copa Libertadores, garantida nesta quarta-feira em Belo Horizonte, fez o São Paulo se tornar o brasileiro de melhor campanha nesta edição do torneio e superar fracassos recentes. O volante e capitão Hudson disse após eliminar o Atlético-MG que, com a chegada do clube entre os quatro melhores da competição, as equipes adversárias vão voltar a temer o time do Morumbi.

"O respeito voltou", afirmou na saída do vestiário do estádio Independência, onde o São Paulo perdeu por 2 a 1 pelo confronto de volta das quartas de final. "Muita gente não acreditava que a gente chegasse até aqui. Então, estamos calando a boca de muita gente com este resultado", comentou. O São Paulo avançou graças ao gol marcado fora de casa. Na ida, venceu no Morumbi por 1 a 0.

Para o capitão da equipe, a forma como o São Paulo tem atuado na Libertadores deve ser mantida no Campeonato Brasileiro para que possam ser recuperados os bons resultados em clássicos. No último ano o clube sofreu contra os três rivais paulistas as maiores goleadas em toda a história do Brasileiro. Do Palmeiras, levou de 4 a 0. Do Santos, caiu por 3 a 0. E do Corinthians, mesmo diante de um adversário escalado com reservas, perdeu por 6 a 1.

Como as semifinais da Libertadores serão somente em julho, o elenco quer usar esse intervalo para testar ajustes durante os compromissos do Brasileiro. "Essa parada será benéfica. Vamos ter um tempo para treinar mais, aprimorar fundamentos e consertar falhas. Vamos ainda focar só em uma competição. Se tivéssemos duas para disputar, poderia nos atrapalhar", explicou.

Segundo Hudson, o ambiente do agora semifinalista São Paulo mudou completamente desde a derrota em casa para o The Strongest, na estreia da fase de grupos. "Criamos uma necessidade enorme de vitórias. Para isso acontecer, a postura teve que mudar. Quando todo mundo colocou isso na cabeça, as classificações e as vitórias vieram", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.