O rock como trunfo para a campanha histórica do Leicester

Os membros do Kasabian são torcedores fanáticos da equipe

Igor Ferraz, Rafael Pezzo e Renan Fernandes, O Estado de S. Paulo

27 de dezembro de 2015 | 07h00

Assim como Liverpool, com os Beatles, e Manchester, com o Oasis, a cidade de Leicester também é movida ao som de uma banda de rock: o Kasabian. A banda foi formada em 1997, justamente quando o Leicester City conquistou a segunda Copa da Liga Inglesa de sua história.

Em dezembro de 2015, pode-se dizer que o Kasabian é uma das maiores bandas de rock do mundo e já lançou cinco álbuns de estúdio. O grupo ainda pode ter a felicidade de compartilhar o sucesso mundial com o clube de coração: justamente o Leicester City, que ocupa a liderança do Campeonato Inglês. Eles frequentam os estádios para acompanhar o time desde a adolescência e continuam aparecendo mesmo depois da fama.

Antes da estreia na atual temporada do Campeonato Inglês, contra o Sunderland, em casa, o técnico Claudio Ranieri inovou ao colocar os jogadores do Leicester em campo sob o som da música 'Fire' do Kasabian, nos alto-falantes do estádio. A canção é uma espécie de 'hino' para a equipe é é tocada a cada gol. Os jogadores absorveram o espírito, venceram por 4 a 2 e, desde então, o Leicester não parou mais.

"Eu falei para meus jogadores: vocês vão entrar no estádio para o primeiro jogo com a música do Kasabian. Vocês são os guerreiros e têm que fazer o melhor para a torcida", afirmou Ranieri após o jogo. Quando perguntado se é fã da banda, o italiano de 64 anos disse ser gostar do estilo: "Não sei se sou fã, mas conheço eles. Fazem um bom rock e eu amo rock".

A cada vez que a equipe balança as redes, os torcedores voltam a entoar o hit 'Fire' no King Power Stadium. A música acabou se tornando a trilha sonora da grande campanha do Leicester, que, ao lado do Kasabian, vêm colocando a pacata cidade inglesa no mapa da música e, claro, do futebol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.