Eric Gaillard/Reuters - 9/12/2014
Eric Gaillard/Reuters - 9/12/2014

'O segredo do nosso time é a força coletiva', afirma Fabinho

Em boa fase no time francês, jogador sonha com a seleção

Entrevista com

Fabinho, lateral do Monaco

Luís Augusto Monaco, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2015 | 17h00

Fabinho ainda saboreia a grande vitória do Monaco sobre o Arsenal pela Liga dos Campeões, mas neste domingo já tem uma pedreira pelo Campeonato Francês: o badalado PSG, num jogo fundamental para o time se aproximar da zona de classificação para a competição europeia. Em entrevista ao Estado, o lateral de 21 anos falou sobre o momento que vive e a esperança de ser convocado por Dunga. E deixou no ar a possibilidade de mudar de ares na próxima temporada, porque seu contrato termina no meio do ano e seu empresário é o português Jorge Mendes, que tem trânsito fácil em grandes clubes da Europa.

O Monaco está em quarto lugar, a oito pontos do terceiro colocado. Qual o objetivo do time no campeonato?

A nossa meta é ficar entre os três primeiros para conseguir vaga na Liga dos Campeões. Sentimos muito a perda do James Rodríguez e do Falcao Garcia no início da temporada e começamos muito mal, mas agora estamos crescendo e temos um jogo de seis pontos com o PSG na nossa casa. A vitória por 3 a 1 sobre o Arsenal em Londres no meio da semana nos deu muita confiança para vencer essa partida.

O time fez quatro gols em seis jogos na primeira fase da Liga dos Campeões, e no primeiro jogo das oitavas marcou três no Arsenal. Vocês melhoraram tanto assim de dezembro para cá?

Não mudou muita coisa, não. O nosso estilo de jogo é esse: defender muito e tentar aproveitar as chances que criarmos. O Arsenal teve muitas chances também, mas estávamos o nosso aproveitamento foi bem melhor.

O príncipe Albert estava no estádio. Ele falou com vocês depois do jogo?

Ele e o presidente do clube foram para o vestiário depois do jogo e comemoraram muito com a gente, até cantaram a música que costumamos cantar quando ganhamos. O roupeiro canta um verso e todo mundo repete em seguida, E em Londres o príncipe também cantou. (risos)

A vaga nas quartas de final está no papo?

Na nossa cabeça as chances são de 50% para cada time. O Arsenal tem um time com mais estrelas do que o nosso e pode reverter a situação aqui no nosso estádio. Vamos jogar como sempre jogamos, com um trabalho coletivo muito forte. É o segredo de um time que não tem estrelas.

Os clubes europeus contratam laterais brasileiros pensando em ganhar jogadores que vão muito ao ataque, mas o esquema do Monaco é mais cauteloso. Você se sente à vontade nesse tipo de jogo?

Nosso esquema é meio defensivo mesmo, mais na base do contra-ataque. O técnico (o português Lauro Jardim) me diz para só subir quando a bola estiver do meu lado, e mesmo assim se eu tiver gás para voltar logo se perdermos a bola. É claro que é mais gostoso participar bastante das ações ofensivas, mas tenho conseguido render bem.

Domingo vocês jogam em casa contra o PSG. O esquema vai ser o mesmo ou vão sair mais para o jogo?

É bom receber times como o PSG, que tentam se impor tanto em casa como fora. Isso dá mais espaço para a gente jogar, então não tem motivo para mudarmos.

Quinta-feira o Dunga vai convocar a seleção. Você espera ser chamado?

Já fui convocado uma vez (para o jogo contra o Equador) e estive nos últimos amistosos da seleção sub-23. É claro que tenho esperança, ainda mais que vivo um bom momento e o meu time está bem, mas se não estiver na lista não vou me abater. Sou muito novo.

Quando acaba o seu contrato?

No meio do ano.

E o clube ainda não te procurou para renovar?

Por enquanto, não. Ninguém falou comigo nem com o Jorge Mendes, meu empresário.

O Jorge Mendes é poderoso, tem vários jogadores no Real Madrid (entre eles Cristiano Ronaldo). E como o Real está procurando um lateral, tanto que se fala no interesse pelo Danilo, será que ele não te leva pra lá?

(Risos) Não sei... Meu objetivo é ficar, gosto de morar aqui. Vamos ver o que acontece.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.