Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Obina desencanta, mas Palmeiras só empata com o Barueri

Time alviverde abre 2 a 0, mas comete muitos erros e vê Pedrão empatar a partida pelo Campeonato Brasileiro

André Rigue, estadao.com.br

31 de maio de 2009 | 20h16

Acabou a seca de gols para Obina. Depois de mais de seis meses sem marcar (18 jogos), o atacante deixou a sua marca pelo Palmeiras, mas não foi o suficiente para derrotar o Grêmio Barueri, fora de casa. O jogo acabou no empate por 2 a 2, em duelo válido pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

 

Veja também:

link Luxemburgo: 'Futebol é cheio de fofoca e de frescura'

som Ouça na Eldorado/ESPN: Palmeiras 1 x 0; Palmeiras 2 x 0; Palmeiras 2 x 1; Palmeiras 2 x 2;

especial Visite o canal especial do Brasileirão

especial Jogue o Desafio dos Craques

lista Brasileirão - Calendário

tabela Brasileirão - Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

 

Assim como nos últimos jogos, o técnico Vanderlei Luxemburgo mudou a escalação do Palmeiras neste domingo. Quando todos esperavam que Souza entrasse no meio-campo ao lado de Pierre, o treinador colocou Mozart, totalmente fora de ritmo. Obina foi confirmado como titular pela primeira vez ao lado de Keirrison.

 

Apesar do empate, o desempenho do Palmeiras no primeiro tempo foi sonolento. Keirrison e Obina ficaram isolados na frente, uma vez que a bola não chegou - só através de balões. Wendel e Armero erraram quase todos os cruzamentos. Na tática, o alviverde também foi fraco e não apresentou nenhuma jogada ensaiada.

 

E quem pensa que Luxemburgo esteve à beira do campo, gritando com o time, se enganou. Na maior parte do primeiro tempo, o treinador se preocupou em reclamar da arbitragem de Paulo César de Oliveira junto ao quarto árbitro. O resultado foi que os únicos lances de emoção aconteceram na etapa final.

 

E no segundo tempo, brilhou Obina. Ele não tinha feito muita coisa em campo além de dar trombada e perder disputas com os zagueiros do Barueri. Porém o atacante esteve muito bem posicionado aos 11 minutos para receber lindo passe de Diego Souza. Obina dominou, bateu rasteiro e fez a festa: 1 a 0.

 Grêmio Barueri 2
René; Daniel Marques (Xandão), Leandro Castan e André Luiz; Márcio Careca, Éder, Ewerton, Ralf (João Vitor) e Thiago Humberto; Fernandinho (Camilo) e Pedrão   
Técnico: Estevam Soares
 Palmeiras 2
Marcos; Wendel    , Danilo, Marcão e Armero (Jefferson); Pierre, Mozart, Cleiton Xavier e Diego Souza (Marquinhos); Keirrison e Obina (Ortigoza)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Gols: Obina, aos 11, Keirrison, aos 16, e Pedrão, aos 17 e 28 minutos do segundo tempo

Árbitro: Paulo César de Oliveira

Estádio: Arena Barueri, em Barueri (SP)

 

O gol transformou o jogo de sonolento para animado. O segundo gol do Palmeiras chegou com Keirrison, que também estava em má fase - não marcava havia quatro partidas. Aos 16 minutos, Cleiton Xavier cruzou com perfeição. O "K9", de primeira, desviou dentro da área, sem chances para o goleiro René.

 

Keirrison, porém, não teve tempo para comemorar. No minuto seguinte, o Barueri balançou as redes. Pedrão, o artilheiro dos gols estranhos, recebeu dentro da área. Ele se enroscou com o zagueiro Marcão e caiu. Deitado no gramado, mas deitado mesmo, ele chutou no ângulo de Marcos, que só olhou o placar do estádio se alterar para 2 a 1.

 

E Pedrão queria mais. De salvador, Marcos virou vilão. O goleiro saiu errado e deu a bola nos pés de Thiago Humberto. O meia deu passe açucarado para o artilheiro do Barueri. E Pedrão foi fatal. Ele mandou a bola para as redes, aos 28 minutos, e garantiu o 2 a 2. O resultado, pelo que apresentaram os times, foi justo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.