Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão
Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Ocupar espaços

Técnicos experientes ainda se destacam em grandes times. Os novos precisam firmar-se

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2018 | 04h00

Os brasileiros que restaram na corrida pelo título da Copa Libertadores estarão em ação neste meio de semana, todos com desafios fora de casa. O Grêmio visitou o Atlético Tucumán na terça-feira, o Palmeiras se apresenta quinta-feira em Santiago contra o Colo-Colo e o Cruzeiro tem a missão de segurar o Boca, nesta quarta-feira, em Buenos Aires. 

Além de serem fortes competidores e de já terem levantado o troféu, os três apresentam em comum o fato de serem guiados por treinadores experientes. Não se trata de coincidência, mas da constatação de que, na hora do aperto, ainda conta a rodagem do chefe como detalhe na caminhada para o sucesso. Clubes apostam no conhecimento deles, sobretudo nas etapas de afunilamento do torneio.

Os casos de Grêmio e Cruzeiro são mais significativos, pois Renato Gaú- cho e Mano Menezes estão nos cargos há mais de uma temporada – algo extraordinário por aqui –, e já conquistaram troféus. Felipão desembarcou para a terceira passagem no Palestra pouco depois do Mundial da Rússia. Nenhum se inclui no rol de nova geração tampouco em intermediária. Pelo histórico, são da turma “veterana”.

Por um lado, é normal que ocorra dessa maneira. Assim como na maioria das atividades, lastro e currículo contam – ou deveriam ter peso relevante nas escolhas. Grandes empreitadas são lideradas por profissionais tarimbados. Por outro – e especificamente no futebol–, preocupa, porque sinal de que a nova leva não se mostra no ponto. E no Brasil há carência de propostas e métodos avançados para chacoalhar a bolinha nossa de cada dia. 

Nomes de professores estão a ganhar espaço no mercado, num processo natural e cronológico; lei da vida. Mas na bucha, na lata, diga lá quem já merece levar o carimbo de aprovado? Pense rápido. O único que vem em mente é o de Fabio Carille, e com razão. Pegou um Corinthians desmantelado, e em um ano e meio deu três voltas olímpicas, com dois Paulistas e um Brasileiro. Amarrou o burro na sombra e, na primeira oportunidade, foi encher as burras de dinheiro no mundo árabe. E quem há de criticá-lo por tal opção?

Carille conduzia o Corinthians com certo equilíbrio na Libertadores deste ano, deixou-a a meio passo da fase de mata-mata. Nessa etapa entrou em cena o sucessor Osmar Loss e veio a eliminação nas oitavas, fora a queda acentuada na Série A. Pronto, ele perdeu o emprego de comandante alvinegro. 

Também na competição sul-americana não resistiram o Vasco (com Zé Ricardo), o Santos (com Jair Ventura) e o Flamengo (com Maurício Barbieri). Zé Ricardo trocou de casa e busca a sorte no oscilante Botafogo, Jair trata de recomeçar no Corinthians e Barbieri balança no rubro-negro. Zé Ricardo estava no Fla em 2017 e Jair no Bota. 

Ou seja, em pouco tempo mudaram de galho três vezes – e isso não é bom, não lhes permite continuidade e pode marcar a imagem deles. Pior, não se vislumbra frescor, exceto pela idade.

Rotatividade semelhante ocorre com Eduardo Baptista (de novo no Sport) e Alberto Valentim (deambulou por Palmeiras, Botafogo, passagem relâmpago no Egito e Vasco em menos de um ano). Roger Machado parece mais cauteloso e está em retiro, após a demissão no Palmeiras.

Tomara todos vinguem, por competência e inovação. Ganharão eles, os times que os empregarem e o futebol nacional. Precisam, no entanto, tomar cuidado para não queimarem etapas e se tornarem figurinhas fáceis e descartáveis, ou apagadores de incêndio, como tem acontecido com Dorival, Marcelo Oliveira, Carpegiani, para citar alguns famosos. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.