Ricardo Duarte/Internacional
Ricardo Duarte/Internacional

Odair fecha treino e promete esperar por Dourado e Damião para escalar o Inter

Treinador não adianta a formação para escalar o Santos, na segunda-feira

O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2018 | 14h42

O clima desta sexta-feira foi de mistério no Internacional. O técnico Odair Hellmann fechou o treino realizado no Beira-Rio e escondeu a escalação que vai a campo diante do Santos, segunda que vem, no mesmo estádio, pelo Campeonato Brasileiro. A dúvida passa pelas presenças de Rodrigo Dourado e Leandro Damião, que se tornaram preocupação ao longo da semana.

Dourado ficou de fora dos treinos dos últimos dois dias, por conta de dores no pé direito. Já Damião se recuperou recentemente de um problema muscular e, para não forçar, também foi poupado na quinta. Se inicialmente ambos não preocupavam, agora Odair admite que precisará esperar para saber se pode contar com eles.

"O Damião voltou em uma progressão. Antecipamos um pouco a situação da retreinamento. O Rodrigo tomando injeção, passando por procedimentos. Quando pode, a gente os coloca em campo. Quando não, a gente trabalha o modelo e esperamos até o último instante para contar com todos. Eu não posso dar essa definição. A gente continua fazendo esse tipo de progressão de recuperação para ter eles o máximo de tempo possível ou de início", declarou.

Se não puder contar com os dois jogadores, Odair garantiu ter confiança no elenco do Inter para substitui-los. "Sempre trabalhando alternativas para o caso de acontecer de não poder contar com algum jogador. O grupo já deu resposta. Tenho confiança no grupo."

Com 56 pontos, o Inter é vice-líder do Brasileirão, três pontos atrás do Palmeiras, e por isso precisa da vitória para seguir na briga pelo título. Já o Santos luta pela vaga na Libertadores, está em sétimo, com 42 pontos, e vive bom momento desde a chegada do técnico Cuca.

"O Santos deu uma arrancada nesse segundo turno, cresceu muito com o Cuca. Tem jogadores de muita qualidade e cresceu em termos de competição. É um time muito forte. Vi quatro jogos com o Santos. Cabe a nós não deitar em berço esplêndido. Temos que buscar manutenção de jogo, de performance", comentou Odair.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.