Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Oeste: advogado admite ter pedido dinheiro

O advogado e ex-presidente do Marília, Hely Bíscaro, admite que pediu dinheiro ao presidente ?honorário? do Oeste, Mauro Guerra, para reverter a sentença no caso dos três jogadores inscritos irregularmente. No programa Esporte Notícia, da rádio Bandeirantes, Bíscaro afirmou que tinha um relacionamento próximo aos dirigentes do Oeste - chegou a indicar Marcio Rossini como técnico do time de Itápolis.Disse: "Eu soube que o Washington (Rodrigues de Oliveira, relator do caso) estava pensando em mudar seu voto e comuniquei ao Oeste. Eles me chamaram e falaram para eu pegar o caso e perguntavam quanto eu queria. Daí eu pedi um valor alto. De R$ 200 mil."Como os dirigentes do Oeste estavam pedindo para diminuir o valor, Bíscaro argumentou que o valor precisava ser alto porque tinha de distribuir o dinheiro para várias pessoas, sugerindo a existência de um esquema corrupto no Tribunal de Justiça Desportiva. Não citou nomes.O detalhe é que Bíscaro isentou a participação de Washington no caso. Chegou, inclusive, a pedir desculpas publicamente no programa de rádio. Washington, por sua vez, disse que está muito chateado com tudo que aconteceu. "Eu me sinto como no caso da Escola Base. Me acusam de várias coisas e não há provas, mas a minha imagem foi prejudicada. Confiança é algo difícil de se conquistar e fácil de perder. Ainda bem que minha filha tem quatro anos e não entende nada", reclamou.O auditor evita fazer uma avaliação do que aconteceu. Tudo leva a crer que Bíscaro pediu dinheiro ao Oeste e envolveu seu nome. "Não quero falar nada de cabeça quente. Não quero fazer o mesmo erro que as pessoas cometeram comigo: o de fazer juízo precipitadamente", rebate Washington. "Tudo que sei é que fui acusado injustamente, tratado como criminoso por dez delegados e todos me consideram um criminoso. Foi uma experiência muito traumática", disse o relator, que não pretende mais voltar ao TJD. "Acho que não há mais condições de isso ocorrer. Quero voltar lá só para provar a minha inocência e pedir minha saída do cargo", afirmou.Para os representantes do Oeste, no entanto, tudo não passa de uma encenação. "A extorsão existiu e é evidente que os dois estão juntos nessa. Todas as evidências indicam isso. Eles combinaram uma linha de defesa e estão fazendo esse jogo. A verdade vai aparecer. Confio na justiça", disse o deputado estadual Geraldo Vinholi, patrono do time.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.