Ofensas racistas trazem Baiano de volta

Seis meses depois de ir jogar no futebol argentino, Baiano está de volta ao Palmeiras e pode estrear no domingo, contra o Botafogo, no Palestra Itália. Hoje, o lateral revelou ter sido alvo de ofensas racistas de adversários no Campeonato Argentino, quando defendia o Boca Juniors. Ainda com certa mágoa, admitiu que os ataques pesaram em sua decisão de deixar o clube de Buenos Aires. "Fui muito bem recebido no Boca. Os primeiros meses foram ótimos. Infelizmente, depois do episódio com o Grafite passei a ser tratado de forma diferente por adversários", contou Baiano, referindo-se ao incidente de 13 de abril, no Morumbi, quando o atacante são-paulino deu queixa por ofensa racista contra o argentino Desábato, do Quilmes, após a vitória por 3 a 1 pela Taça Libertadores. Desábato acabou preso por dois dias em São Paulo, até ser liberado para voltar à Argentina. "Dois jogadores fizeram isso. Falaram que eu era irmão do Grafite, me insultaram. Diziam: Negro, vamos ver se aqui você tem a mesma coragem do Grafite", afirmou Baiano, acrescentando que algumas das ofensas vieram de atletas do Instituto de Córdoba. "Não comentei com ninguém lá, guardei para mim. Aí surgiu o interesse do Palmeiras. Estava também com problemas familiares e não tinha mais vontade de ficar na Argentina." Um dia depois de completar 27 anos, Baiano voltou a treinar no clube que jogou por um ano e meio e que deixou, desprestigiado, em dezembro. "Minha saída foi opção do (ex-técnico do Palmeiras) Estevam Soares. Ele pediu a contratação do Bruno e do André Cunha e falou que não ia trabalhar comigo." REFORÇOS E APOIO - O diretor de Futebol do Palmeiras, Salvador Hugo Palaia, festejou a volta de Baiano, tratando-o pelo apelido que recebeu de um locutor esportivo argentino. "O bombom é um presente para a torcida do Palmeiras. É parte do plano de fazer um Palmeiras forte", disse Palaia, acrescentando ainda que o zagueiro paraguaio Gamarra está muito próximo de assinar com o clube e pode até estrear no clássico com o Corinthians, no dia 10. "Está quase contratado. Faltam uns 10%. Se tudo correr bem, será apresentado na terça-feira." O dirigente palmeirense, irônico, rebateu mais uma vez as especulações sobre a demissão do técnico Paulo Bonamigo. "Ele está bem. Esteve um pouco resfriado mas já melhorou. Já avisei o pessoal para ter cuidado. Ele só cai, se for da escada, se tropeçar." Bonamigo também ganhou o apoio da Mancha, depois de se reunir com os líderes da torcida ontem e explicar as razões dos maus resultados. "Estamos com ele. Queremos o bem do Palmeiras. Sabemos que o elenco que ele pegou não é muito bom", disse o presidente da Mancha, Luiz Carneiro Filho. "Só não pode perder o clássico."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.