Anthony Devlin/AFP
Anthony Devlin/AFP

Oito vítimas de treinador pedófilo inglês pedem indenização ao City

Crimes foram cometidos entre 1979 e 1991, quando Barry Bennell era caça-talentos do time inglês

Redação, AFP

06 de maio de 2020 | 08h49

O Manchester City e o modesto clube Crewe Alexandra, da quarta divisão do futebol inglês, terão que comparecer a um tribunal que vai analisar o pedido de indenização por parte de oito vítimas de um técnico que foi condenado por pedofilia.

No final de uma audiência preliminar realizada nesta terça-feira, o processo foi agendado para outubro de 2021 e deve levar oito semanas.  Barry Bennell cumpre atualmente uma pena de 30 anos de prisão por crimes de pedofilia praticados contra 12 crianças entre 1979 e 1991.

Naquela época, ele trabalhava como caça-talentos para o Manchester City, embora não fizesse parte do quadro de funcionários do clube, mas integrava a rede de olheiros dos 'Citizens', e também desempenhou a mesma função mais tarde no Crewe Alexandra, onde duas das vítimas sofreram abuso.

As oito pessoas que entraram com a ação, atualmente com idades que vão de 40 a 50 anos, querem que o clube os compense pelas "sequelas psiquiátricas muito graves" que sofreram como resultado dos abusos aos quais foram submetidos por Bennell.

Sete deles também pedem indenização porque acreditam que esses atos os impediram de seguir uma carreira profissional no futebol. Os dois clubes negaram a responsabilidade pelas ações de Bennell e consideram que o pedido de indenização chega tarde demais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.